terça-feira, 6 de setembro de 2016

"Take On Me" A-Ha (1985)

por Paulo Neto

É um dos clássicos dos anos 80, indispensável em qualquer festa "Remember the 80's" por esse mundo fora, presente em várias colectâneas de música dessa década e o disco mais vendido de sempre por um artista ou grupo norueguês. No entanto, "Take On Me" dos A-Ha foi daquelas canções em que foi precisa muita insistência e retoques para alcançar o sucesso.



Os A-Ha formaram-se em 1982 quando Morten Harket, Pal Waaktaar e Magne Furuholmen decidiram deixar as bandas em que estavam e tentar uma carreira internacional em conjunto, mudando-se de Oslo para Londres. Escolheram o nome A-Ha porque era algo que significava o mesmo em inglês e norueguês, e era o nome de uma das composições de Waaktaar.

Capa da primeira edição de 1984

Uma das canções da banda anterior de Waaktaar e Furuholmen era "The Juicy Fruit Song" continha elementos de "Take On Me". Morten Harket gostava dessa canção e sugeriu que trabalhassem uma outra canção baseada nessa. Quando finalmente conseguiram um contracto com a Warner Brothers, "Take On Me" foi editado duas vezes em 1984, mas apenas conseguiu algum sucesso na Noruega. Porém o manager da banda conseguiu convencer a Warner Brothers americana a investir no grupo e foi feita mais uma tentativa. Com uma nova remistura a cargo de Alan Tarney, a versão definitiva de "Take On Me" ficou pronta para ser lançada no Outono de 1985.



E foi aí que entrou outro elemento-chave: o videoclip. E "Take On Me" é daquelas canções que é impossível não ouvir sem pensar no respectivo videoclip. Com o conceito inovador de misturar imagem real com sequências animadas em estilo de banda desenhada, filmadas na técnica do rotoscópio, a história de uma rapariga que está a ler um livro de BD num café (a bailarina Bunty Bailey, com quem Harket tinha começado a namorar pouco tempo antes) que é puxada por um Morten Harket animado para um mundo onde tudo é banda desenhada a preto e branco e com os dois acabando a serem perseguidos por dois sujeitos mal encarados e armados com chaves inglesas, para no final ela vê-lo numa espécie de exorcismo (numa cena decalcada do filme "Viagem Alucinante" de 1980) para se transformar de personagem animada em ser humano. O videoclip realizado por Steve Barron venceu seis prémios nos MTV Video Music Awards de 1986.


Mas pessoalmente para mim, as minhas cenas preferidas não são aquelas que envolvem animação: aquela em que a empregada do café, pensando que a rapariga deu à sola sem pagar a conta, amarrota furiosa o livro de BD e aquela em que Bailey, recém-escapada do mundo em BD e dos gunas que perseguiam a ela e Harket, reaparece no caixote de lixo do café para espanto de todos lá presentes.

Numa estratégia ainda nova para a altura, o vídeo estreou um mês antes da edição da nova versão de "Take On Me", gerando expectativa no público. Tudo isso, mais o apelo da canção em si, com o ritmo frenético ao longo de toda a canção, o inconfundível riff de sintetizador e a nota impossivelmente aguda que Morten Harket atinge no refrão (ele é praticamente o único que consegue cantar essa nota sem parecer a sirene da Lisnave), gerou o sucesso que o tema estava destinado a alcançar. Atingiu o n.º 1 do top americano e de vários outros países. No Reino Unido, apesar de ter impedido de atingir o 1.º lugar do top britânico por "The Power Of Love" de Jennifer Rush, foi o nono single mais vendido de 1985. Desde então, o single já vendeu sete milhões de cópias no mundo inteiro e é uma das canções dos anos 80 com mais downloads no iTunes. (E nos idos de 2004, foi o meu toque de telemóvel, nessa gloriosa era dos toques polifónicos.)

Apesar de nunca mais terem igualado o sucesso do "Take On Me" nos Estados Unidos, onde são considerados one hit wonders, os A-Ha viriam a somar mais hits no resto do mundo nos anos seguintes. Por exemplo, o single seguinte "The Sun Always Shines On TV" (pessoalmente a minha canção preferida dos A-Ha) deu-lhe o primeiro lugar do top britânico que tinha sido negado a "Take On Me". Entre outros sucessos da banda nos anos 80 contam-se "Hunting High And Low", "Stay On These Roads", "Touchy!" e "The Living Daylights", o tema do filme "007 - Risco Imediato".

"The Sun Always Shine On TV" (1986)


"The Living Daylights" (1987)



Entre as muitas covers de "Take On Me", quero destacar quatro: uma versão ska de 1998 dos Reel Big Fish que fez parte do filme "BASEketball" dos criadores de "South Park"; uma versão de 2000 da boyband anglo-norueguesa A1 que foi n.º 1 do top britânico; uma versão punk-rock de 2001 dos alemães Emil Bulls; e uma versão acústica de 2009 da espanhola Anni B Sweet. (Ah, e parece que em 2013, foi samplada num tema de Pitbull e Christina Aguilera.)



Com alguns hiatos de permeio, os A-Ha continuam a actuar pelo mundo fora e a editar discos. O álbum de 2000 "Minor Earth Major Sky" marcou o regresso da banda após seis anos e foi bem recebido junto do público e da crítica, demonstrando que os A-Ha não eram relíquias dos anos 80 e que a sua música adaptava-se bem ao século XXI.

"Summer Moved On" (2000)



Em 2015, o norueguês Kygo, um dos DJs e produtores do momento, editou uma nova remistura de "Take On Me". Eis um vídeo de uma actuação onde se constata que, aos 56 anos, Morten Harket não só continua a atingir aquela nota de castratto (se bem que não consta que alguma vez tenha sido removida alguma parte da sua anatomia para tal) como não envelheceu quase nada!



Se gostou, Partilhe: »»

Save on Delicious

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...