sexta-feira, 29 de abril de 2016

O Bar Da TV (2001)

por Paulo Neto

A SIC cedo se apercebeu que cometeu um enorme erro ao recusar a proposta de Endemol para adaptar o "Big Brother" para Portugal, que acabou por ir para a TVI com o sucesso que se sabe, e a estação de Carnaxide tentou correr atrás do prejuízo e contra-atacar no ano de 2001 com outros reality-shows baseados na convivência forçada de um grupo de cidadãos anónimos. Primeiro foram os "Acorrentados" logo em Janeiro fazendo frente à estreia da segunda edição do "Big Brother", e quando esta queimava os últimos cartuchos, com "O Bar Da TV" que elevaria a faceta voyeurista e escandalosa deste tipo de programas a alturas ainda então por atingir.





Ao contrário do que se seria de esperar, a versão original de "O Bar Da TV" não é holandesa e com chancela da Endemol, mas sim de uma produtora sueca, Strix. Desde a primeira edição na Suécia em 2000, o programa já foi adaptado em vários países como por exemplo Argentina, Cambodja, Eslovénia, Geórgia, Hungria, México e Polónia, onde chegou a haver uma edição em 2005 com concorrentes de vários países da Europa (tendo ganho um inglês). A única edição portuguesa foi transmitida pela SIC entre 13 Maio e 12 de Agosto de 2001 e foi das poucas que não foram produzidas pela Strix mas sim pela produtora de Ediberto Lima. A apresentação esteve a cargo de Jorge Gabriel, com Lili Caneças, que na altura fez furor na imprensa cor-de-rosa por ter feito um peeling que lhe retirou grande parte das rugas, como a comentadora oficial.





A dinâmica do programa era a seguinte: doze concorrentes teriam de viver numa casa em regime de isolamento e com câmaras por todo o lado enquanto trabalhavam num bar nas Docas de Lisboa, pelo que a grande diferença em relação ao "Big Brother" é que os concorrentes não só não estavam completamente isolados do mundo como aliás qualquer pessoa podia ir ao bar durante as horas de funcionamento e ver e falar com os concorrentes. Aliás o slogan do programa era "A novela da vida real em que você pode entrar". Os concorrentes estavam portanto mais cientes do que se passava no exterior e de quais eram as afinidades do público. Segundo as regras originais do programa, enquanto estavam a trabalhar no bar, os concorrentes tinham de seguir várias regras, como não chegarem atrasados, não consumir álcool e não retirar dinheiro da caixa para outros motivos que não pagamentos. As nomeações às quartas-feiras eram feitas pelo seguinte sistema: cada concorrente atribuía um ponto negativo a um colega e um ponto positivo a outro. O concorrente com mais pontos negativos seria o primeiro nomeado, o concorrente com mais pontos positivos apontava o segundo nomeado. Os dois nomeados eram depois sujeitos a votos e o mais votado para sair era expulso em cada domingo.



Antes da estreia do programa, 18 concorrentes pré-seleccionados foram revelados na revista TV Mais e no Big Show SIC. No primeiro programa os doze concorrentes escolhidos foram: Ana Raquel, 21 anos, brasileira residente em Braga; Carla Gonçalves, 22 anos,  de Lisboa; Eduardo Mendes, 26 anos, de Alhos Vedros; Francisco Véstia, 21 anos, de Santarém; Hoji Fortuna, 26 anos, angolano residente no Porto; João Vinagre, 27 anos, de Lisboa;  Leonel Lage, 27 anos, de Lisboa; Leonor Figueiredo, 24 anos, de Porto; Margarida Gomes, 22 anos, de Borba; Paulo Horta, 19 anos, de Lisboa; Raquel Barbosa, 19 anos, de Vilamoura; e Rita Brito, 22 anos, natural de Tomar e residente no Porto.
Com as saídas extra-competição de Ana Raquel e Leonor, estas foram substituídas por Sofia Borges, 24 anos de Lisboa e Rute Azevedo, 26 anos, de Barcelos. 

Como é habitual, encontrei pouquíssima informação na net, pelo que eis aquilo que recordo de memória e aviso que possivelmente algumas recordação podem não estar correctas.

- O tema do programa era interpretado por Hugo Piló, cantor nazareno ex-concorrente do "Chuva de Estrelas" e que integrou em finais dos anos 90 o grupo Santa Claus que teve algum sucesso com uma versão de "Lilás" de Djavan.

Hoji Fortuna

- Um pouco à semelhança do Zé Maria no "Big Brother", Hoji afigurou-se desde muito cedo como o grande favorito à vitória, com o público a ser sensível ao concorrente "outcast". Com a sua vitória, o angolano tornou-se no primeiro vencedor estrangeiro de um reality-show português.

Ana Raquel

Leonor Figueiredo

- Além do mais famoso incidente do programa, a primeira semana foi bastante atribulada. Além de se dona do objecto que terá causado esse famoso incidente, Ana Raquel foi a primeira concorrente a ser expulsa do programa por violação das regras. Se não estou em erro, teria conseguido infiltrar o namorado dentro da casa e teria tido sexo com ele. Leonor, que era a única concorrente que já tinha sido casada e mãe, recebeu no terceiro dia a notícia que o ex-marido teria aproveitado a entrada dela no programa para desaparecer com a filha de ambos, pelo que a portuense teve de desistir do programa para esclarecer essa situação e lidar com a disputa da custódia da sua filha.



Eduardo Mendes

Sofia Borges

João Vinagre

Leonel Lage

- A desinibição era aliás uma característica geral dos concorrentes, sobretudo os masculinos, que protagonizaram algumas cenas de nudez, até porque ao contrário do "Big Brother" que tinha as câmaras ao alto nos chuveiros, nos chuveiros da casa do Bar a câmara estava de frente pelo que não deixava muito para a imaginação. Leonel, João e Eduardo eram os mais ousados.  

- Como não podia deixar de ser, alguns casalinhos formaram-se entre os concorrentes nomeadamente João com Carla e Eduardo com Sofia. Também houve alguma proximidade entre Francisco e Raquel, que motivou algum "shipping" do público.

Francisco Véstia


Raquel Barbosa

- Apesar de não ter nenhum concorrente que pudesse considerar o meu favorito, aqueles que me lembro de gostar mais eram Francisco e Raquel.  Como temos um amigo em comum, por vezes aparece no meu Facebook alguns posts de Francisco. E Raquel era para mim a rapariga mais bonita do programa, uma prova de que há pessoas que são mais sexys com óculos do que sem eles. (Além de mim, claro!)

Carla Gonçalves

Rute Azevedo
- Quanto a inimizades, a mais célebre foi aquela entre Carla e Rute. A lisboeta e a inhota tiveram vários momentos tensos, como aquele em que Rute terá inadvertidamente (?) atirado um chinelo a Carla.

Paulo Horta

- Paulo Horta foi o primeiro concorrente assumidamente homossexual de um reality-show português. 

- A meio do jogo, quatro concorrentes previamente eliminados - João, Margarida, Raquel e Sofia - foram eleitos pelo público para regressarem ao programa. Tendo sido o segundo eliminado, João conseguiu conquistar depois forte apoio do público para voltar ao programa, (em parte devido ao seu showmance com Carla) e acabou por ser o outro finalista. À parte das saídas de Ana Raquel e Leonor, creio que a ordem de eliminações do programa terá sido a seguinte: Rita, João, Margarida, Rute, Paulo, Raquel, Sofia, novamente Margarida e Sofia, Eduardo, novamente Raquel, Carla, Francisco e Leonel, com Hoji a vencer João na final.

Rita Brito

- Na fase final do programa, o bar era gerido por duas equipas, cada uma liderada pelos dois finalistas e com três ex-concorrentes escolhidos por estes. Hoji escolheu Margarida, Rita e Sofia e João optou por Carla, Eduardo e Raquel.  

Margarida Gomes

- Mas como é evidente o incidente pelo qual todos ainda recordam "O Bar da TV" foi aquele que envolveu a concorrente Margarida Gomes e os seus pais, Miquelina e Teodomiro. Jovem religiosa, recatada, dedicada aos estudos e à música e assumidamente virgem, Margarida parecia um peixe fora de água e a antítese de todos os outros concorrentes. No entanto, a jovem alentejana não pareceu incomodar-se com isso e nem com as farras iniciais da casa, que terão passado por alguns strip-teases masculinos e femininos. Durante uma delas, terá mesmo visto um vibrador, que Ana Raquel trouxera para a casa, ser-lhe passado na cara. E terá sido esse o motivo que fez com que os seus pais se tivessem deslocado desde Borba até Lisboa para convencerem a filha a desistir do programa, indignados com o nível de depravação e alegando que estavam a sofrer na pele a indignação da população de Borba. Mas o que poderia ser apenas um acto de excesso de zelo por parte dos pais que não souberam bem ao que a sua filha tinha ido (tinham afirmado que aceitaram a participação a participação da filha para que ela trouxesse cultura e religião ao programa - pois...), acabou rapidamente por se tornar algo bem surreal que suscitou indignação geral dos telespectadores por dois motivos. Um deles era o simples facto da SIC transmitir em directo uma conversa privada entre uns pais e uma filha apenas para ganhar audiências com essa exploração gratuita. E outro foi o teor da conversa propriamente dita com a mãe de Margarida a recorrer a chantagem emocional, deixando para a história frases como "Já não podemos viver em Borba", "Já não posso ir ao supermercado, já não posso ir à missa", "O teu pai não fez a barba" e "Ele traz uma gravata preta porque está de luto", enquanto a filha chorava baba e ranho. A certo ponto, o próprio Ediberto Lima interveio a favor de Margarida para acalmar os ânimos. Mas o incidente marcaria o início de fim da parceria entre o produtor brasileiro e a SIC bem como até do próprio Emídio Rangel, o homem que nos anos 90 levara a estação de Carnaxide a uma fulgurante ascensão. Mas no fim de contas, Margarida continuou no programa, tendo inclusivamente participado na fase final na equipa de Hoji e até a dona Miquelina acabou por comparecer regularmente nas galas de domingo. Actualmente não existe na net as imagens desse infame episódio, mas existe uma faixa em que frases proferidas pela dona Miquelina Gomes surgem sob batida techno, numa composição criada por alguém que responde pelo nome de DJ Porco.



Eu não acompanhei "O Bar Da TV" com o entusiasmo fervoroso com que segui os dois primeiros "Big Brothers", até porque eu encarei o programa como quase toda a gente - uma forma desesperada da SIC de correr atrás do prejuízo, tentando esgravatar por baixo para ganhar audiências (algo que hoje por hoje infelizmente parece ser a regra), mas admito que via quando calhava. Pelo que me recordo, as audiências do programa até não eram más mas ainda assim longe das dos "Big Brother", pelo que por isso, aliado a todas as polémicas, não se avançou para mais edições.

Aliás, hoje em dia, serão muitos poucos que se lembram dos nomes dos concorrentes, além da Margarida de Borba. A grande maioria deles regressou alegremente ao anonimato depois do final do programa e só alguns foram vistos no pequeno ecrã posteriormente. Sofia Borges foi concorrente na rubrica "Vou Ser Uma Estrela" do programa "SIC 10 Horas" que foi ganha pela futura concorrente dos Ídolos Raquel Guerra. Reparei em Francisco Véstia no papel de um dos vilões num dos episódios da série "Uma Aventura" e em 2007, foi finalista do casting para o novo apresentador da MTV que viria a ser ganho por Ana Luísa Barbosa. E o vencedor Hoji Fortuna dedicou-se à representação, tendo sido visto em "Os Malucos Do Riso" e em pequenos papéis em telenovelas ("Morangos Com Açúcar", "A Outra", "Fascínios") e desde 2008 que prossegue a sua carreira de actor nos Estados Unidos.



Excertos do programa:







terça-feira, 26 de abril de 2016

Desastre Nuclear de Chernobyl (1986)





26 de Abril de 1986. Uma data marcada em fogo atómico na memória colectiva do Mundo: o desastre nuclear de Chernobyl. Numa década em que a Guerra Fria ainda lançava a sua sombra de medo de uma eventual guerra nuclear, o que se passou em Chernobyl (ou Chernobil) foi a maior amostra - até ao momento, e excluindo os bombardeamentos de Hiroshima e Nagasaki décadas antes - do que poderia ser a ameaça atómica.





Classificado 7 na Escala Internacional de Acidentes Nucleares ( o topo da escala, tal como o mais recente acidente nuclear de Fukushima), tudo aconteceu durante uma experiência para testar a redução de potência nos reactores 3 e 4. Este teste contra as normas de segurança causou um mal funcionamento do reactor 4 e uma grande explosão de vapor que destruiu a cobertura de protecção, que conduziu a um incêndio, novas explosões e ao sobreaquecimento do reactor (mais de 2000ºC) que causou o temível derretimento nuclear. Durante a catástrofe, 31 pessoas morreram, mas ao longo dos anos contabilizam-se milhares de mortes e casos de cancro e deformidades causados pela radioactividade libertada para o ambiente, com gravíssimas consequências para os habitantes ( e os seus descendentes ) de Chernobyl, Pripyat (onde moravam os trabalhadores da Central Nuclear) e muitas vilas circundantes da então República Socialista Soviética da Ucrânia - actual Ucrânia - que são ainda hoje zonas desertas onde o fantasma da radioactividade está bem presente.



Na altura, o governo da União Soviética tentou abafar o caso, mas admitiu o que se passou quando outros países detectaram aumento de radioactividade na atmosfera. Nos dias seguintes, mais de uma centena de milhares de pessoas foram evacuadas.



As recordações deste desastre são daquelas inesquecíveis para quem viveu a época, como a tragédia do Challenger (link) por exemplo.


Um pormenor fascinante é que - excluindo a zona do reactor - a catástrofe é invisível ao olho humano que apenas pode captar o abandono dos edifícios (recheados dos pertences deixados para trás na pressa da evacuação) e áreas urbanas - envelhecidas por falta de manutenção e por acção da natureza - e não a nociva radioactividade e a sua contaminação, que deverão demorar vários séculos a desaparecer. 





Curiosamente, um artigo de 2016, por altura do 30º aniversário do acidente, revela que na Ucrânia o lobby a favor da energia nuclear ganha força. Parece que nem o testemunho das ruas vazias e doentes é suficiente para enterrar de vez a roleta russa...

A imprensa nacional, tal como a maioria do Mundo, só começou a falar do assunto alguns dias depois.
Naturalmente, uma das preocupações era se a radiação poderia alcançar e afectar Portugal.
Como hábito, clique sobre as imagens para as aumentar e facilitar a leitura:

Excerto da capa do "Diário de Lisboa" de 29 de Abril de 1986: "Acidente nuclear na URSS"

O desenvolvimento:



Excerto da capa do "Diário de Lisboa" de 30 de Abril de 1986: "Chernobyl: O maior acidente nuclear até hoje".
 A continuação na mesma edição adiantava que "poderão ter morrido cerca de duas mil pessoas".


Suplemento "Sete Ponto Sete" do "Diário de Lisboa" de 06 de Maio de 1986 com 3 páginas dedicadas ao desastre:






Como sempre, o leitor pode partilhar experiências, corrigir informações, ou deixar sugestões aqui nos comentários, ou no Facebook da Enciclopédia: "Enciclopédia de Cromos"Visite também o Tumblr: "Enciclopédia de Cromos - Tumblr".

sexta-feira, 22 de abril de 2016

A Tragédia de Hillsborough (1989)



A Tragédia de Hillsborough [15/04/1989] foi um dos maiores desastres mundiais relacionados com futebol, e o maior do género na Inglaterra. A tragédia saldou-se em 96 mortos e quase 800 feridos no Estádio Hillsborough, em Sheffield, durante o jogo Liverpool FC e Nottingham Forest. 

Na altura os relatórios oficiais apontavam a culpa dos esmagamentos para os comportamentos impróprios dos fãs, mas revisões recentes confirmam que a tragédia ocorreu por sobrelotação do estádio Hillsborough e falta de controle das autoridades para a impedir.

Uma descrição bastante detalhada de todos os acontecimentos e repercussões na Wikipédia: “Hillborough Disaster” (em inglês).

Uma pequena reportagem:



Um documentário da BBC (de 2014) "Hillsborough - How They Buried The Truth":

 Novamente recorro ao inestimável acervo online do "Diário de Lisboa" para conhecer a reacção da imprensa nacional da época:

Excerto da capa do "Diário de Lisboa" [17/04/1989]
 Além do obrigatório espaço na primeira capa, o "Diário de Lisboa" publicou um texto emotivo pela mão de Neves de Sousa: "Para onde vais, Futebol?"
"Diário de Lisboa" [17/04/1989]
"...subitamente, a festa futebolística transmudou-se para tragédia, o riso deu lugar às lagrimas, a alegria virou (em cada rosto) amargura e a mais forte das tristezas".
Podem clicar na foto acima para ler melhor, além dos poucos factos ainda conhecidos, Neves de Sousa comenta a violência, a rivalidade que transbordam dos campos de jogo para o quotidiano da sociedade. Um pouco de generalização, é certo, mas algumas das situações apontadas continuam relevantes na actualidade.




Texto original: "Mini-Cromos - A Tragédia de Hillsborough [15/04/1989]".

Como sempre, o leitor pode partilhar experiências, corrigir informações, ou deixar sugestões aqui nos comentários, ou no Facebook da Enciclopédia: "Enciclopédia de Cromos"Visite também o Tumblr: "Enciclopédia de Cromos - Tumblr".

"Freed From Desire" Gala (1996)

por Paulo Neto

O euro-dance reinou em força nos anos 90 e a Itália era uma das potências desse género. E foi precisamente de terras transalpinas que em 1996 surgiu mais um grande hit que reinou nas pistas de dança por essa Europa fora, interpretado por uma cantora milanesa cujo nome parecia indiciar uma carreira artística.



Gala Rizzatto nasceu em Milão a 6 de Setembro de 1972. Os seus pais deram-lhe esse nome em homenagem a Gala Dalí, (de seu verdadeiro nome Elena Diakonova) esposa e musa do poeta Paul Éluard e do pintor Salvador Dalí. Por isso, não é de estranhar que Gala tenha tido inclinação para as artes, tendo deixado a Itália aos 17 anos para estudar numa escola de artes em Boston. Mais tarde, mudou-se para Nova Iorque onde trabalhou como fotógrafa e começou a interessar-se pela cultura  underground e das discotecas da Big Apple, onde começou por fazer uma perninha como cantora.

O seu primeiro single foi "Everyone Has Inside" que obteve algum sucesso em Itália e Espanha, mas foi o single seguinte que se tornou um êxito global. Reza a lenda que Gala gravou uma cassete demo para um DJ europeu em troca de uma fotografia e que uma das músicas dessa demo era "Freed From Desire".

Graças à poderosa batida house e ao "na na na na" irresistível de trautear, "Freed From Desire" não tardou a conquistar as pistas de dança e as tabelas de música por essa europa fora desde o seu lançamento em Outubro de 1996. No baile de Carnaval da minha escola no 11.º ano, foi a música mais tocada. O tema foi n.º 1 em França (onde vendeu mais de um milhão de exemplares) e Bélgica e top 5 em diversos países. Apesar de ter sido tardiamente editado no Reino Unido em Julho de 1997, chegou ao n.º 2 do top e vendeu mais de 600 mil cópias em terras britânicas.


Mas apesar do sucesso do tema, a letra causou alguma confusão juntos dos ouvintes, já que a pronúncia inglesa de Gala deu azo a imensos mondegreens. Por exemplo, no repetido verso "He's got his strong beliefs", havia quem ouvisse "His God is Taiwanese", "He's got his trampoline" ou "He's got a strong police". E no refrão, quando Gala diz "mind and senses purified", eu pensava que era "my incense is purified" e há registos de quem achava que era "minus tension purifying", "minor senses Uruguay" ou "minor sex securified".



O single seguinte de Gala foi "Let A Boy Cry". Embora não tão potente na parte instrumental, o tema ganhava ao predecessor em termos de interpretação e melodia, já que não só a pronúncia de Gala era bem mais perceptível como a letra tinha uma mensagem importante. "Let A Boy Cry" falava sobre a hetero-normatividade da sociedade e como muitos adolescentes sentem receio em expressar a sua atracção por pessoas do mesmo sexo e/ou ter comportamentos e interesses fora daqueles convencionados para o seu género, sob medo das represálias dos outros. Uma situação pela qual Gala, assumidamente bissexual, passou na sua juventude. O videoclip também veiculava essa mensagem. "Let A Boy Cry" foi mais um hit internacional para Gala, tenso sido n.º 1 em Itália, França e Bélgica.



Capa do álbum "Come Into My Life" 

Seguiu-se o single que acompanhou o lançamento do seu álbum, ambos intitulados "Come Into My Life". O single foi n.º 1 em Espanha e Itália. Uma das canções do álbum tinha a participação de Tonino Ballardo dos Gipsy Kings. Embora não tenha tido tanto sucesso como os anteriores, recordo-me também ouvir nas rádios nacionais o single final, "Suddenly". O disco valeu a Gala vários prémios como o de Melhor Artista Internacional no Midem de Cannes e de Cantora do Ano para a revista italiana "Musica e Dischi".



Gala nunca mais igualaria o sucesso alcançado nessa altura, mas continua ainda hoje a editar música como artista independente e a actuar um pouco por todo o mundo, além de também continuar a fazer alguns trabalhos de fotografia. Em 2009, lançou o segundo álbum "Tough Love" e em 2014, actuou durante os Jogos Olímpicos de Inverno em Sochi, onde à luz das leis anti-LGBT da Rússia, fez questão de abrir o seu concerto com "Let A Boy Cry". Além disso, o seu maior hit "Freed From Desire", já teve algumas reedições com novas remisturas ao longo dos anos em 2003, 2008 e 2011. Gala também regravou uma versão acústica para o filme "Up For Love", com Jean Dujardin, a estrear este ano.  

Gala Rizzatto em 2012

Gala "The Beautiful" (2014)



          
  

terça-feira, 19 de abril de 2016

Roque E Role (1988-89)

por Paulo Neto

Nos anos 80, havia bastantes programas na RTP onde os cantores e bandas musicais da nossa praça apareciam para apresentar o seu repertório. Em 1988, no mítico espaço infanto-juvenil "Juventude e Família" conduzido pelo mítico Lecas, estreou o programa "Roque e Role" onde vários grupos e intérpretes nacionais não só actuavam diante de uma jovem plateia como respondiam às questões colocadas pelos jovens espectadores. 
Os dezoito programas foram todos gravados em 1987 mas o programa só estreou em Outubro de 1988. Os primeiros quinze programas foram exibidos em sábados consecutivos até Janeiro de 1989, os três últimos só foram para o ar alguns meses depois e de forma mais espaçada entre Julho e Setembro de 1989. O que explica que por exemplo, que nos programas dos Ministars e dos Onda Choc estes cantassem músicas de álbuns mais antigos quando já tinham editados discos mais recentes.
A maioria dos programas de "Roque e Role" estão disponíveis no YouTube, para as quais este artigo fornece um link.

1. Tó Sequeira: (link) No primeiro programa, o convidado era Tó Sequeira, um simpático senhor com um ainda mais simpático bigode que nos anos 80, era presença habitual em vários programas da RTP, incluindo infantis, como "Ora Agora Conto Eu". E é da sua autoria a definitiva versão nacional da clássica cantilena country "Singing Round The Mountain": o "Fui De Visita À Minha Marrocos", que aliás também deu título a uma famosa mini-série infantil da RTP de 1985, ainda hoje bastante recordada. Eu próprio já vi actuar Tó Sequeira ao vivo uma vez em 1992, mas desde então nunca mais soube dele. O que é feito de Tó Sequeira?     



2. Xutos & Pontapés: (link) o ano de 1987 tinha sido o ano de consagração dos Xutos que com o clássico álbum "Circo de Feras" agarraram o ceptro de maior banda rock nacional. Claro que neste programa não podiam faltar hits como "Contentores", "N'América", "Sou Bom" e sobretudo "A Minha Casinha".  



3. Ministars: Os Ministars era um grupo infantil composto por membros do Coro Infantil de Santo Amaro de Oeiras que fazia versões de conhecidos temas internacionais. O projecto foi uma ideia de José Niza, adaptando para Portugal este conceito de grupo infantil originalmente criado na Holanda, também sob o nome de Ministars. O sucesso dos Ministars nacionais foi imediato junto de miúdos e graúdos. Quando o "Roque e Rol" deles foi para o ar, já tinham editado o segundo álbum e estavam prestes a lançar o terceiro, mas no programa interpretaram canções do primeiro álbum, que incluíam versões de "Wake Me Up Before You Go-Go", "Life Is Live" ou "Rock Me Amadeus" que acabaram por ser tão míticas para a sua geração como os originais. Desse primeiro álbum também fazia parte "Cantar Em Português", uma espécie de canção-assinatura do grupo que era uma versão de "Love Is All", tema de 1976 da autoria de Roger Glover, cantado por Ronnie James Dio.  


4. Badaró: Já falámos aqui sobre a vida de Manlio Hedair Badaró, o brasileiro que veio a Portugal para um espectáculo de uma companhia brasileiro e que por cá acabou por ficar até à sua morte em 2008, deixando muitos sucessos no teatro e televisão nacional. Na altura, Badaró teve muito sucesso com o programa "O Grande Pagode" onde recuperou a sua mítica personagem do Chinesinho Limpopó, que era co-apresentado por uma muito jovem mas já artisticamente activa Ana Malhoa. Chegou a ser editado depois um disco com as músicas desse programa, mas não sei se terão sido apresentadas nesta emissão do "Roque e Role".  


5. José Barata Moura: este conhecido professor catedrático e futuro reitor da Universidade de Lisboa continuava a ser um ídolo da pequenada e por isso, foi mais uma oportunidade para ouvir temas bem conhecidos de José Barata Moura.


6. Raúl Indwipo: já então a única metade viva dos Duo Ouro Negro, Raúl Indwipo interpretou canções tanto dos tempos da parceria com Milo McMahon como do seu repertório a solo.



7. Carlos Paião: este programa foi exibido a 26 de Novembro de 1988, precisamente três meses depois do trágico e cruelmente prematuro falecimento de Carlos Paião. Foi com grande emoção que muitos telespectadores puderam assistir a esta emissão (recordo-me da minha mãe até ter chorado) onde Carlos Paião interpretou temas tão célebres como "Cinderela" e "Marcha do Pião da Nicas" e até fez algumas brincadeiras envolvendo efeitos sonoros com dois dos pequenos membros da assistência.  

8. José Jorge Letria: Figura de proa do jornalismo e da poesia nacional, José Jorge Letria deu a conhecer alguma da sua obra dedicada ao público infantil.


9. Carlos Alberto Vidal /Avô Cantigas: (link) Nesta emissão, Carlos Alberto Vidal respondeu às perguntas dos mini-espectadores como ele próprio mas interpretou as canções na pele do seu eterno avatar Avô Cantigas, onde não faltaram músicas do seu famoso álbum "Histórias do Corpo Humano" como "O Esqueleto Anacleto" e "O Cigarro e O Formigo".


10. Carlos Alberto Moniz:  (link) É conhecido o vasto repertório de Carlos Alberto Moniz para o público infantil. Esta emissão pode-se ouvir temas como "Jardim Zoológico da Pernas Para o Ar", "Olha o Céu Dentro do Chapéu" e "Uma História Ao Fim Do Dia".


11. Onda Choc: (link) Surgidos no mesmo ano dos Ministars, os Onda Choc formaram com este durante anos a fio uma mítica dicotomia de grupos infantis que cantavam versões de êxitos internacionais. À data da exibição do programa já estavam a editar o quarto álbum "Na Minha Idade" mas aqui interpretaram faixas do segundo álbum "Namoro" com famosas versões de "Nothing's Gonna Stop Us Now", "Take My Breath Away", "Walk Like An Egyptian" e a famosa versão de "La Bamba" que menciona a Ria de Aveiro.


12. Ana Faria: (link) Seguiu-se a mentora dos Onda Choc, Ana Faria que interpretou temas do seu célebre álbum "Brincando Aos Clássicos", com a colaboração do seu queijinho, perdão, filho mais novo Pedro. Uma emissão onde não faltou a famosa cantiga do Luís que queria ir a Paris.


13. Delfins: (link) Longe de imaginar o nível de sucesso que teriam na década de seguinte, a banda de Miguel Ângelo apresentou alguns dos mais famosos hits dos seus primeiros anos como "A Baía de Cascais", a sua versão de "Canção do Engate" que se tornou tão mítica como o original de António Variações e "O Caminho da Felicidade", também conhecida como "forte como um leão", que viria a ser o título do multi-platinado álbum best of da banda.


14. Lena Coelho & Banda Sucesso / Afonsinhos do Condado: (link) Este foi o único programa com duas bandas diferentes. A Banda Sucesso foi o primeiro projecto pós-Doce de Lena Coelho, com uma imagem e presença em palco ainda mais arrojadas do que nas Doce, claramente influenciados pelos Transvision Vamp. Como a banda só editaria duas canções: "Fintas de Amor" e "Sucesso", o resto do programa foi ocupado pelos Afonsinhos Do Condado, onde não faltou o hit "A Salsa das Amoreiras". A página de Facebook do clube de fãs de Lena Coelho tem várias imagens da sua actuação neste programa.


15. Carlos Mendes: (link) o intérprete de "A Festa Da Vida" e "Amélia dos Olhos Doces" apresentou neste programa temas do seu famoso álbum infantil "Jardim Jaleco" de 1978.


16. Herman José: (link) Com o Herman, a diversão estava garantida nesta emissão onde revisitou alguns dos seus célebres hits como "A Cor do Teu Baton", "Serafim Saudade" e "Vamos Lá Cambada".


17. Radar Kadafi: (link) foi em 1987 que a banda lisboeta liderada por Luís Gravato fez-se notar no panorama musical nacional quando editou o seu único álbum "Prima Donna" que incluía o hit "40 graus à sombra"

18. Paulo de Carvalho: (link) O cantor de "E Depois Do Adeus" continuava a ter muito sucesso nos anos 80, graças aos álbuns "Desculpem Qualquer Coisinha" e "Um Homem Português", tendo sido interpretados neste programa músicas desses discos. No entanto, a emissão pecou pela ausência do grande hit "Os Meninos de Huambo". 


Vídeo de actuação dos Xutos & Pontapés "N'América"


Fotografias do site "Brinca Brincando"

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...