quinta-feira, 31 de maio de 2012

Com Pés e Cabeça (1988)


"Com Pés e Cabeça", concurso de finais dos anos 80, apresentado por José Fialho Gouveia e Ana Paula Reis. O programa das segundas-feiras à noite, por volta das 21 horas, começou as emissões a 11 de Janeiro de 1988 e findou-as em Julho do mesmo ano. Curiosamente, na programação do Diário de Lisboa, há indicação que a ultima sessão foi a 4 de Julho ("Centro e Sul, representados pelas suas capitais, Coimbra e Faro respectivamente são os dois finalistas deste concurso."), e no entanto, na semana seguinte, está novamente a indicação de "última edição deste programa que apresenta para despedida um brinde a todos os concorrentes que passaram pelo estúdio do Europa e pelo Pavilhão do Sacavenense durante as semanas em que decorreu o concurso". Provavelmente um apanhado das emissões anteriores.
"Diário de Lisboa [1988/05/02]"

O redondo mascote que adorna o genérico é o Sabichão. O "Diário de Lisboa" descreve o programa assim: "Jogos de movimento, provas de criatividade e jogos de conhecimento e memória são a base deste concurso que terá 28 sessões."
"Diário de Lisboa [1988/01/11]"

"Diário de Lisboa [1988/02/01]"


O seguinte video foi colocado no Youtube pelo fã da  Caderneta de Cromos, Orlando Santos Silva, que assistiu ao vivo ao programa [20/01/1988], e gravou em cassete VHS O video tem quase 1 hora e  23 minutos de duração:


Descrição do video: "Concurso em que se defrontam equipas representando 2 cidades (nesta terceira sessão do concurso: Faro e Horta) apresentado por Fialho Gouveia (no cinema Europa) e Ana Paula Reis (no pavilhão do Sacavenense). Juri: Cândido Mota, Magda Cardoso e Carlos Paião. Direcção musical: Carlos Alberto Moniz. Comentários dos jogos: Fernando Correia. Árbitro: Rui Pinheiro.
Tem muito dos anos 80, os Heróis do Mar, a dinâmica dos jogos e passatempos, os concorrentes, a assistência."
Mais vídeos no canal: http://www.youtube.com/user/OrlandoSantosSilva

 Orlando Santos Silva também guardou o seu bilhete para assistir à gravação do concurso no pavilhão do Sacavenense.

Consegui apurar os participantes de algumas das sessões do "Com Pés e Cabeça":
  • 1988/02/22 - Viana do Castelo e Braga
  • 1988/02/29 - Aveiro e Bragança 
  • 1988/03/07 - Santarém e Porto
  • 1988/03/14 - Coimbra e Évora
  • 1988/03/21 - Lisboa e Setúbal
  • 1988/04/04 - Funchal e Leiria
  • 1988/04/11 - Porto e Portalegre
  • 1988/04/18 - Horta e Angra do Heroismo
  • 1988/05/02 - Viseu e Guarda
  • 1988/05/09 - Coimbra e Vila Real
  • 1988/05/16 - Beja e Faro
  • 1988/05/23 - Porto e Coimbra
  • 1988/05/30 - Horta e Vila Real
  • 1988/06/06 - Leiria e Setúbal
  • 1988/06/20 - Horta e Coimbra
  • 1988/06/27 - Porto e Faro
  • 1988/07/04 - Coimbra e Faro [Final]

Uma curiosidade da sexta sessão (1988/02/15): "... inclui um diálogo inédito entre os viúvos Porcina e Sinhôzinho Malta. trata-se de uma cena de ciúmes, com texto especialemtne criado para o programa e enterpretado (sic) por Regina Duarte e Lima Duarte.

Mais informação no IMDB: "Com Pés e Cabeça"

Como sempre, o leitor pode partilhar experiências, corrigir informações, ou deixar sugestões aqui nos comentários, ou no Facebook da Enciclopédia: "Enciclopédia de Cromos". Visite também o Tumblr: "Enciclopédia de Cromos - Tumblr".

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Quem Sai Aos Seus (1982-1989)



"Quem Sai Aos Seus" era o título em Portugal de "Family Ties" (no Brasil "Caras & Caretas"), uma popular sitcom, hoje em dia mais conhecida como a comédia onde entrava Michael J. Fox (Regresso ao Futuro). Teve 180 episódios, repartidos por sete temporadas exibidas entre 1982 e 1989 (nos EUA). Só foram lançadas em DVD as primeiras cinco temporadas:

A série girava em torno do quotidiano da família Keaton, encabeçada por um casal de pais liberais [Steven (Michael Gross) e Elyse (Meredith Baxter)], um filho conservador [Alex (Michael J. Fox)] e duas filhas [ a bonita Mallory (Justine Bateman) e a maria-rapaz Jennifer (Tina Yothers). E na terceira temporada nasce um novo membro da família, Andrew.
Já passou novamente nos ecrãs portugueses, na RTP Memória. Era daquelas séries que aqui em casa não perdíamos!

Um dos genéricos iniciais:

Veja o video da reunião do elenco em 2008, quase 20 anos depois do final da série:  


terça-feira, 29 de maio de 2012

Caderno TV - Cinema na TV (1992)

Segundo o Caderno TV - Cinema na TV (1992), mais especificamente da semana entre 14 e 20 de Fevereiro de 1992, a programação de cinema na televisão foi a seguinte:

Clique na imagem para aumentar.

De comédias para toda a família, a westerns, thrillers e filmes eróticos, apenas dois canais apresentavam maior variedade que os quatro canais actuais, e principalmente, filmes a horas "decentes". Vejamos:

Quinta-Feira [14 Fevereiro 1992] - "Cineclube" (RTP2) 23:00.
 "Fim de Outono" [Akibiyori/Late Autumn] (1960):


Sexta-Feira [15 Fevereiro 1992] - "Sessão da Noite" (RTP1) 21:15.
"Ternos Laços" [Table For Five] (1983):


Sábado [16 Fevereiro 1992] - "Primeira Matinée" (RTP1) 15:55.
"O Rei do Laço" [Pardners] (1956):



Veja os trailers dos outros filmes, depois do link:

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Tieta (1989)

Mais um excelente texto do Paulo Neto, uma grande contribuição para a "Enciclopédia de Cromos", desta vez sobre uma das mais marcantes telenovelas brasileiras de todos os tempos: Tieta!
Obrigado Paulo, leiam aqui os outros textos dele: Enciclopédia de Cromos: Paulo Neto



"Tieta" é a melhor telenovela de sempre. Sim, eu sei, podem dizer: "Então e (inserir aqui um título de telenovela qualquer) não foi melhor?" Talvez até tenham razão. Mas nenhuma outra telenovela me marcou tanto. E não me recordo de uma outra telenovela que tenha conseguido alcançar tão exemplarmente tudo o que uma boa telenovela deve ter: maravilhosos diálogos, elenco magistral, uma conjugação equilibrada de drama, comédia, romance, sensualidade e crítica social.

Adaptando o romance Tieta do Agreste de Jorge Amado, a telenovela foi exibida pela primeira vez no Brasil em 1989 e em Portugal no ano seguinte. Inicialmente, a Rede Globo pretendia adaptar o romance para uma mini-série mas Betty Faria adquiriu os direitos que tinham sido vendidos à Globo e propôs que se fizesse uma telenovela em que ela fosse a protagonista. 
A autoria esteve a cargo do credenciado Aguinaldo Silva em parceria de Ricardo Linhares e Ana Maria Moretzsohn e a realização de Paulo Ubiratan.

Na pequena cidade baiana de Santana do Agreste, Antonieta "Tieta" Esteves (Betty Faria) é uma bela pastora, que apesar da opressão do pai Zé Esteves (Sebastião Vasconcelos) e a inveja da irmã Perpétua (Joana Fomm), vive uma vida alegre e despreocupada e que cedo descobre a sua sensualidade e um gosto pelos prazeres da carne. Por causa disso, acaba por escorraçada pelo pai para fora da cidade, sem que ninguém à excepção de Dona Milu (Miriam Pires), interceda. Vinte anos depois, regressa bem mais madura e vivida, e sobretudo bastante rica, disposta a vingar-se. Todos a julgam viúva de um industrial rico e influente de São Paulo, mas na verdade é que Tieta enveredou pela prostituição subindo a pulso até ser dona de um bordel de luxo, facto que obviamente esconde de todos. Consigo traz Leonora (Lídia Brondi), uma das suas "meninas" que se faz passar por sua enteada.

Aos poucos, Tieta vai-se envolvendo em todos os acontecimentos que ocorrem na cidade e renova amizades antigas como a sua madrasta Tonha (Yoná Magalhães), Carmosina (Arlete Salles) que trabalha nos Correios e lamenta nunca ter casado, Osnar (José Mayer) o rústico mas eficiente sedutor local e Ascânio (Reginaldo Faria), que sonha em trazer o progesso para Santana do Agreste e que se apaixona por Leonora. E sobretudo, Tieta acaba por se envolver com o seu sobrinho Ricardo (Cássio Gabus Mendes) que estuda para ser padre. Mas por este e outros motivos, acaba em forte conflito com Perpétua, que se tornou uma viúva beata. Perpétua julga-se um exemplo de moral e de virtude, mas na verdade é uma mulher mesquinha, gananciosa e cruel. Na cidade, é apenas tolerada para que ela não se meta na vida de quem lhe fizer frente, já que ela se julga sempre no direito de dar ordens a todos, e em surdina chamam-lhe a "tribufu" e o "bacalhau seco". Querendo deitar a mão à fortuna de Tieta, Perpétua fará de tudo para fazer Tieta cair de novo em desgraça. Porém, Tieta sabe do maior segredo de Perpétua: esta guarda numa caixa branca, o sexo embalsamado do seu falecido marido. (Ah, e no fim vem-se a saber que ela também é careca.).
Mas a meio, surge um inimigo ainda maior para Tieta: Arturzinho da Tapitanga (Marcos Paulo), que todos julgavam morto mas que enriqueceu de forma ilícita e pretende instalar uma fábrica altamente poluente em Santana do Agreste. 

Além destas, existe mais uma quantidade de personagem inesquecíveis em Santana do Agreste: o Coronel Artur da Tapitanga (Ary Fontoura), homem temido e cruel, que reúne em sua casa um séquito de "rolinhas", ou seja, um grupo de meninas pobres que comprou às famílias em troca de abrigo e educação (leia-se favores sexuais); Dona Milú (Miriam Pires), mãe de Carmosina e dona do bordão "Mistéeeeeerio..."; Timóteo d'Alembert (Paulo Betti), autor do bordão "Nos trinques" e casado com Elisa (Tássia Camargo), filha de Tonha e irmã de Tieta e Perpétua, que vivem uma crise conjugal com momentos trágicos e outros mais divertidos; Dona Amorzinho (Lília Cabral) viúva recatada que se liberta da opressão de Perpétua e da sua repressão sexual ouvindo o programa evangélico do Pastor Hilário com umas cuecas vermelhas; Cinira (Rosane Goffman), beata e lacaia-mor de Perpétua, a quem os pensamentos carnais provocam-lhe tremores incontroláveis; Modesto Pires (Armando Bogus) o dono do curtume, que mantém uma amante "teúda e manteúda", a bela e doce Carol (Luiza Tomé) sob a aparente ignorância da sua esposa Aída (Bete Mendes); o comandante Dário (Flávio Galvão) que procura um tesouro valioso e a sua dedicada esposa Laura (Cláudia Alencar), que se vem a descobrir ser a Mulher De Branco que ataca os homens de noite; o Padre Mariano (Cláudio Correa Castro), cada vez com menos paciência para as provocações de Perpétua; Imaculada (Luciana Braga), a rolinha que fará de tudo para se libertar do jugo do coronel e que sonha que Ricardo é o seu príncipe; as prostitutas da Casa da Luz Vermelha, o bordel local; Gladstone (Paulo José) o caixeiro-viajante que chega para distribuir presentes de Tieta e que conquista Carmosina; Amintas (Roberto Bonfim), o bem-disposto amigo de Osnar e Timóteo que pretende seduzir Amorzinho; Dona Juraci (Ana Lúcia Torres), hipocondríaca e coscuvilheira; Peto (Danton Mello), o filho mais novo de Perpétua que vive um terno primeiro amor com Letícia (Renata Barbosa), a filha de Modesto Pires; Jairo (Elias Gleiser) o condutor da Marinete, a carreira que é a única ligação da cidade ao resto do mundo; a sensual Elisabete/Bêbê (Simone Fragoso), a assistente de Arturzinho que se deixa encantar pelos homens da cidade; e como é óbvio, o lendário Bafo de Bode (Benvindo Sequeira), o bêbedo local e o único que se atreve dizer em público o que todos pensam mas não se atrevem a dizer, sobretudo insultos a Perpétua. Enfim, toda uma galeria de personagens fabulosas, todas elas magistralmente interpretadas. Para muitos destes actores, creio que foram os seus melhores papéis da carreira.
Na altura, além de tudo isto, também o facto de "Tieta" ter um conteúdo sexual mais puxado para uma telenovela também foi marcante, tanto no Brasil como em Portugal, uma vez que ambos os países atravessavam uma renovação de mentalidades face à sexualidade. Foram abordado assuntos como o incesto, prostituição, infidelidade conjugal, pedofilia e relações poliamorosas (Laura aceita que Dário se envolva com a arqueóloga Silvana). Creio que antes das televisões privadas, nenhum produto televisivo exibido em Portugal foi tão longe, pelo menos em horário nobre.

Mas esses assuntos não eram abordados de maneira de gratuita, até porque serviam para ilustrar a mensagem da novela: os pecados da carne são os mais fáceis de condenar mas existem outros bem mais negros, como os da ganância e da hipocrisia. E tanto portugueses como brasileiros puderam-se identificar no microcosmos de Santana de Agreste, onde se atacam alguns em nome da moral, dos bons costumes e da religião mas que se protegem outros com pecados mais condenáveis, pois ambos os povos estavam a libertar-se progessivamente dessa mentalidade, se bem que alguns resquícios ainda se mantenham.

De referir ainda a banda sonora que deixou canções na boca de toda a gente como "No Rancho Fundo" de Chitãozinho & Xororó e o tema-título do genérico interpretado por Luiz Caldas, e Isadora Ribeiro, a modelo que aparecia em todo o seu esplendor no genérico e que no último episódio surge como a nova "teúda e manteúda" de Modesto Pires. Aliás, Isadora seria um dos raros casos de um salto de modelo de genérico de telenovela para uma carreira de actriz. Vimo-la por exemplo em "Pedra Sobre Pedra" e "Vidas Cruzadas".

Para resumir e concluír, citando Timóteo D'Alembert, "Tieta" foi uma telenovela "nos trinques"!

domingo, 27 de maio de 2012

Cromos videojogos Sega

Uma das inúmeras colecções de cromos autocolantes que vinham como brinde no "Bollycao", foi esta de jogos para as consolas da "Sega". Além das reproduções das capas dos videojogos para Mega Drive, Game Gear e Master System, o destaque desta colecção ia para o famoso Sonic, o veloz protagonista do jogo homónimo e a mascote da "Sega". Creio que ainda tenho algures cá em casa pelo menos um exemplar desta colecção.
Clique na foto para aumentar:

A foto vem directamente da colecção da Ana Trindade.
Vejam mais cromos aqui: "A minha Caderneta de Cromos - Diversos"

Esta imagem é de um da minha colecção pessoal. Mais fotos brevemente:


Mais cromos da Ana Trindade: "Enciclopédia de Cromos - Ana Trindade"

Como sempre, o leitor pode partilhar experiências, corrigir informações, ou deixar sugestões aqui nos comentários, ou no Facebook da Enciclopédia: "Enciclopédia de Cromos". Visite também o Tumblr: "Enciclopédia de Cromos - Tumblr".

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Apanha Bolas


Não tenho a certeza absoluta do nome deste brinquedo/jogo, nem quando surgiu, mas durante os anos 90 tive um igual ao da foto, de alguma promoção da  Sumol, mas de cor verde:

Foto: O Brinquedo Antigo.

O nome "Apanha Bolas" é mencionado pelo blog "O Brinquedo Antigo" e em alguns leilões na Net. Entretanto, o Paulo Neto, acrescentou no Facebook que para ter o da Sumol tinha que ser trocado por 3 caricas e 50 escudos!


Deixo aqui uma reprodução que desenhei há uns meses de memória:
Comparado com esta pobre montagem feita à pressa:

Outro destes brinquedos com bola e cone:
Foto: Ana Trindade.
Muita pancada nos dedos e na testa a juventude de Portugal deve ter dado à conta deste jogo!
Obrigado à Ana Trindade pelas fotos do cone vermelho que encontrou na Internet, e pela foto do cone amarelo, da sua própria colecção.

Mais cromos da Ana Trindade: "Enciclopédia de Cromos - Ana Trindade"


Na Caderneta de Cromos de Nuno Markl também foi recordado este brinquedo no cromo a outro, o "Gô-Gô" (1983), que garantia "horas de entretenimento": "Caderneta de Cromos Nº 261 - "O Gô-Gô" [Ouvir/Download MP3]".

Como sempre, o leitor pode partilhar experiências, corrigir informações, ou deixar sugestões aqui nos comentários, ou no Facebook da Enciclopédia: "Enciclopédia de Cromos". Visite também o Tumblr: "Enciclopédia de Cromos - Tumblr".

Candy Candy


A origem da série "Candy Candy" não é o manga, como habitual, mas uma novela (em três volumes), escrita em 1975 por Kyoko Mizuki, nunca publicada fora do Japão. Em conjunto com Yumiko Igarashi, o manga começou por ser publicado na revista "Nakayoshi" entre 1975 e 1979. A série animada teve 115 episódios exibidos no Japão entre 1976 e 1979, e mais tarde em grande parte do Mundo, com bastante sucesso. Os autores estiveram envolvidos durante anos em processos judiciais, o que dificulta o lançamento de material em DVD, por exemplo. Além da série, existem três filmes [Candy Candy: The Call of Spring/The May Festival (1978), Candy Candy's Summer Vacation (1978) e Candy Candy the Movie (1992)].

Segundo a Wikipedia "Candy Candy foi emitida em Portugal de 20 de Outubro de 1983 a 6 de Novembro de 1984 na RTP 1. A série foi cancelada em Novembro de 1984 por alegada "excessiva violência psicológica", tendo sido emitida até ao apisódio 53.". Segundo o site "InfanTv", na Itália a série teve um final diferente, um happy ending, para recompensar Candy pelas agruras que passou durante toda a série. Vejam o video do final italiano aqui: "Candy Candy e Terence".
Com o sucesso da série, vieram toneladas de merchandising enfeitado com a figura da "Candy", a loura protagonista Candice White Ardlay, a alegre e inocente orfã com uma vida dramática e sofrida. A animação obviamente estava direccionado para o publico feminino jovem, mas recordo-me vagamente de ver os episódios, e este post até foi sugestão da minha mãe, que tal como muitos adultos também via.

O genérico que passou em Portugal (versão karaoke?):

O genérico em japonês, com legendas portuguesas:

Um excerto da série, dobrada em português, cortesia do Desenhos Animados:
A versão de 1992:

terça-feira, 22 de maio de 2012

Rendezvous com Rama (1973)

"In the year 2130, a strange object is discovered, hurtlin through space on what could be a collision course with Earth.
What is it?
Where did it come from?
And, most important, what does it want?
Those are the questions scientists on Earth have to anwser - and fast - if Mankindd is going to be ready for its first encounter with an alien intelligence!"

As frases anteriores estão inscritas na contracapa de "Rendevous With Rama", a galardoada obra de Arthur C. Clarke. Tendo terminado hoje a sua leitura só lamento ter levado tantos anos até me decidir a lê-la.*

A história é enganadora mente simples: no século 22 é detectado a entrar no sistema solar um objecto alienígena. A nave tripulada Endeavour é enviada para explorar o enorme cilindro metálico de 54 km de comprimento e 20 km de diâmetro. Quando entram na misteriosa e gigantesca nave descobrem um mundo aparentemente morto que repentinamente volta à vida. A equipa de astronautas e inúmeras equipas de cientistas na terra vão trabalhar arduamente para descobrir o propósito das enormes construções, do mar congelado interior e de outras inúmeras surpresas e eventuais ameaças planeadas pelos desconhecidos que construíram a nave, apelidada de Rama.

Posso afirmar que é um dos melhores livros de ficção cientifica que já tive o prazer de ler, e olhem que há mais de duas décadas que devoro trabalhos de qualidade de autores como o próprio Clarke, Isaac Asimov, Carl Sagan, e mais recentemente Robert A. Heinlein e Philip K. Dick! Publicado originalmente em 1973, é um livro extremamente bem concebido, em progressão dramática, descritivo mas nunca aborrecido, imersivo e surpreendente até ao final. Clarke, através da heterogénea equipa de astronautas a bordo de Rama e dos cientistas na Terra, conseguiu abordar o tema da exploração de um artefacto extraterrestre não só do ponto de vista cientifico, mas também quais seriam as consequências sociais, religiosas e políticas. O comandante Bill Norton, que têm duas famílias (legais é claro, uma em Marte e outra na Terra), permite ainda um olhar sobre as diferenças subtis da sociedade do século XXII. No estilo tradicional de Clarke, todos os acontecimentos têm fundamentação cientifica** - nada de fantasia cientifica aqui, - esta é uma obra da  chamada ficção cientifica hardcore!

Um livro excelente para quem sonha com o desconhecido, com o espaço e os seus mistérios!


Capa da minha edição de 1984 da Del Rey Books, publicada pela Ballantine Books ISBN 0-345-31560-6

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Canções da Terra Distante




Confirmei há pouco tempo - graças à Internet - o que já suspeitava hà muitos anos: a estreita ligação entre o livro de Arthur C. Clarke (1986) e o álbum de Mike Oldfield (1994) com o mesmo título: "The Songs of Distant Earth" (Canções da Terra Distante). Clarke é um dos meus escritores favoritos de sci-fi e de Oldfield conheço basicamente alguns clips que passaram nas TVs ou rádios.

O planeta oceânico Thalassa, por volta do ano 3800, é habitado por humanos que foram transportados como embriões em  naves semadoras (originárias da Terra, ameaçada pela eminente explosão do Sol) que chegaram à séculos ao planeta desabitado. A sociedade é pacífica com  tecnologias não agressivas, uma utopia quase perfeita, livre da influência maligna de vícios e preconceitos. Até que um dia surge nos céus de Thalassa uma nave espacial, a Magellan, conduzida pelos últimos sobrevivente do planeta Terra, entretanto destruído quando o Sol se transformou numa super-nova. Enquanto os terráqueos preparam um escudo de gelo - utilizando a tecnologia de elevador espacial - para proteger a nave  antes de continuarem viagem até ao planeta Sagan-2; os elementos das duas sociedades (tão diferentes em todos os aspectos) vão desenvolver uma série de relações de amizade, amor, troca de conhecimentos e tecnologias, que os modificam para sempre.




A novela de Clarke é baseado num história curta homónima, publicada por si em 1958, na colectânea The "Other Side of the Sky". Li a versão mais longa de 1986 há cerca de vinte anos, e voltei a revisitá-la há alguns dias. Continua bastante satisfatória, apesar de algumas passagens um pouco utópicas e ingénuas. 

Clique no link para ler o resto do artigo:

sábado, 19 de maio de 2012

United Distillers (1992)

Publicidade e mensagem de Natal da "Unitied Distillers", retirada da revista "Nova Gente" nº 846 - Dezembro de 1992.

Clique na imagem para aumentar o anúncio:


quinta-feira, 17 de maio de 2012

Rose Noire - parfum de toilette (1992)


Publicidade ao Parfum de Toilette "Rose Noire", par Giorgio Valenti, retirada da revista "Nova Gente" nº 846 - Dezembro de 1992.

Anúncio completo, clique na imagem para a aumentar:

"Rose Noire. Um perfume sublime profundamente emotivo e sensual."

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Gelados Tá Tá


"Gelados Tá Tá" vendidos dentro de uma bola de plástico. A marca destes é "Tá Tá", que creio ainda estar em actividade na Amora, Seixal, como se vê estampado na bola azul. Encontrei referência "Tata - Sociedade Produtora e Distribuidora De Gelados, Lda" no site: www.netsetubal.com. Creio que havia outras marcas a  vender gelados em bolas, lembram-se de algumas?
Vejam com mais detalhes as bolas que traziam os gelados dentro. Encontrei as fotos no site de leilões Miau:


Máquina de Lavar Roupa Ariston (1992)

Publicidade à Máquina de Lavar Roupa da marca "Ariston", retirada da revista "Nova Gente" nº 846 - Dezembro de 1992:

O reclame completo, com os detalhes técnicos da máquina de lavar:

Slogan: "Ariston - Consigo para a vida!".

terça-feira, 15 de maio de 2012

Nova Gente Beleza

"Nova Gente Beleza", página de sugestões de produtos de beleza, desde perfumes a maquilhagem, retirada da revista "Nova Gente" nº 846 - Dezembro de 1992.:
Cada um dos produtos em detalhe, pode clicar nas fotos para as aumentar:
Fond de teint "Teint Secret" - Bourjois
"fond de teint" Beauté Benetton:

Cologne "Aramis"
 Veja o resto das fotos depois do link:

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Desenho Fantasma


Desenho Fantasma (Ghost Writer), um quadro (dupla face) magnético quer permitia criar desenhos, agitar e criar novos desenhos! Apesar de ser um esquema diferente dos mais famosos "Ecran Mágico", também vendido pela Concentra, lembro-me de haver em casa algo do género, com caneta mas com uma técnica ligeiramente diferente. Neste Desenho Fantasma, o quadro tinha uma face com um ecrã quadrado e outro com forma de uma cabeça. Na foto acima, as embalagens da versão normal e a versão de viagem "Travel Ghost Writer), mais compacta.

O excelente canal de Youtube Cruxices, tem o anúncio português do Desenho Fantasma:

O refrão da canção é "Desenho Fantasma, shake, shake", fica no ouvido :)

domingo, 13 de maio de 2012

Aventuras de Rocketeer, As (1991)




O texto que se segue foi publicado originalmente no CINE31 no dia em se comemorou vinte anos desde a estreia de "The Rocketeer" ("As Aventuras de Rocketeer"), a 21 de Junho de 1991: O protagonista deste filme injustamente subvalorizado e esquecido é Rocketeer, um herói retro, criado na banda desenhada em 1982, por Dave Stevens, como homenagem aos antigos heróis das décadas de 40 e 50. A namorada do heroi é Betty, claramente inspirada na figura da mítica Bettie Page. No filme a namorada passou a chamar-se Jenny (a adorável e jovem Jennifer Connelly) mas Rocketeer continua a ser Cliff Secord, interpretado por Billy Campbell. A liderar os vilões, Timothy Dalton, com um maléfico bigode. A realização (cheia de referências a heróis, filmes e personalidades reais do Hollywood clássico) esteve a cargo de Joe Johston, o realizador de "Jurassic Park III"; "Querida, Encolhi os Miúdos" e do recente "Captain America: First Avenger" [ler crítica]. Uma aventura divertidissima!




Veja o trailer da aventura:



Trailer criado por fã:



Até teve direito a um trailer sobre como o filme teria sido de fosse feito nos anos 30: 



Máquina de Lavar Loiça Bosch (1992)

Publicidade ás Máquina de Lavar Loiça "Bosch", que alegava permitir a poupança de 6000 litros de água por ano. O slogan da marca é: "Bosch ... é bom!". 


Página retirada da revista "Nova Gente" nº 846 - Dezembro de 1992.

sábado, 12 de maio de 2012

Pretender (1996-2000)

A série "The Pretender", exibida originalmente entre 1996 e 2000 na NBC, e em Portugal na TVI, centra-se em Jarod (Michael T. Weiss), um "camaleão humano" prodígio, criado desde criança pela organização secreta "O Centro" (The Centre) para ser capaz de assumir qualquer identidade ou profissão. Depois de escapar de "O Centro", Jarod é perseguido por Miss Parker (Andrea Parker), sua amiga de infância e agente de  "O Centro" e Sydney (Patrick Bauchau), o antigo mentor e professor de Jarod. Um dos grandes trunfos da série estava precisamente no carismático trio protagonista. Jarod, apesar de ter sido roubado de uma infância normal, é ingénuo e bondoso e durante a fuga, ajuda pessoas inocentes e tenta descobrir os seus pais e as suas origens.

A série compôs-se de 4 temporadas (86 episódios) e 2 telefilmes (The Pretender 2001 e The Pretender: Island of the Haunted), já depois do cancelamento da série. Os criadores da série indicaram que a inspiração principal foi o "pretender" da vida real Ferdinand Waldo Demara, conhecido como o Grande Impostor, que além de se apropriar de identidades de outras pessoas, desempenhou uma série de profissões, graças a uma "memória fotográfica", e até fingiu a própria morte.
O genérico inicial da 1ª Temporada:


Promoção da 2ª Temporada:

Promoção do telefilme "The Pretender 2001":

Video do telefilme "The Pretender: Island of the Haunted":

O telefilme "The Pretender: Island of the Haunted", em 10 partes no Youtube: "The Pretender: Island of the Haunted" Parte 1

Mais informação:


Bem, finalmente serviram de alguma coisa todos os recortes de revistas que guardei.
Clique nas fotos para as aumentar:


Mais recortes:

Concertos de Natal Sintra 92

Anúncio aos "Concertos de Natal Sintra 92".
 O reclame completo, com o programa do evento:
Coro e Orquestra de Câmara de Lisboe e Segréis de Lisboa que interpretaram desde reportórios de compositores clássicos até material nacional do séc. XVII. Algum dos nossos leitores foi assistir?

Página retirada da revista "Nova Gente" nº 846 - Dezembro de 1992.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...