segunda-feira, 16 de janeiro de 2023

White Town "Your Woman" (1996)

Existem canções que surgem à frente do seu tempo. Existem canções que teimam em não envelhecer uma ruga. E existem canções que conseguem inesperadamente conjugar o passado, o presente e o futuro em si. É o caso de "Your Woman" de White Town, que encapsulava tão bem os três que subiu ao primeiro lugar do top britânico no início de 1997 e é um dos mais inconvencionais hits clássicos da década. Por exemplo, em 2010 a revista Pitchfork considerou-a uma das 200 melhores canções dos anos 90 (em 158.º lugar).



Como acontece na génese de tantos projectos musicais, White Town começou por ser uma banda mas acabou por ser um pseudónimo para o espólio musical de apenas uma pessoa. Neste caso, o de Jyoti Mishra, nascido a 30 de Julho de 1966 na cidade indiana de Rourkela, que aos três anos mudou-se com a família para Derby em Inglaterra. Crescendo como um jovem indiano introvertido numa cidade predominantemente branca (daí o seu pseudónimo musical), Mishra encontrou refúgio na música. 

A actual foto de perfil de Jyoti Mishra no Twitter


Inspirado por um concerto dos Pixies, Jyoti Mishra decidiu formar uma banda de rock alternativo com mais três amigos da universidade em 1989 a quem deu o nome de White Town, mas um ano depois, já estava sozinho no projecto colaborando ocasionalmente com outros músicos.
O primeiro álbum de White Town, "Socialism, Sexism & Sexuality" foi editado em 1994 e, apesar de algumas boas críticas da crítica especializada e do lendário radialista da BBC John Peel ter tocado uma faixa, "Heather's Party", passou despercebido. 

Com a tecnologia ao serviço de criação de música a evoluir, em 1996 Jyoti Mishra decidiu criar novos temas com um sampler, um microfone, um gravador de oito faixas e um CD-ROM que vinha numa revista. Hoje em dia, é bastante comum para músicos, dos mais famosos ao mais amadores, criar música nos seus quartos com todo o tipo de programas digitais em vez de ir para estúdio, mas nos anos 90, tal prática ainda estava no início. Enfim, armado com todo esse arsenal digital, Mishra compôs quatro faixas que fizeram parte do EP "Abort, Retry, Fail?", assim chamado porque foram essas palavras que apareceram quando o seu computador crashou enquanto mixava as faixas do disco, o que levou a que passasse os próximos três dias a reformatar tudo. 
Um das faixas do EP era "Your Woman", que continha algo que se revelaria o principal ingrediente para o seu sucesso: um sample de "My Woman", uma canção originalmente gravada em 1932 de Lew Stone & His Monseigneur Band e cantada por Al Bowlly (que curiosamente nasceu em Lourenço Marques, Moçambique). (Não, ao contrário do que muitos julgam, esse sample não era da "Imperial March" da trilogia "A Guerra das Estrelas"!) Jyoti Mishra lembrava-se de "My Woman" de ter visto a minissérie musical da BBC "Pennies From Heaven" (1978) com Bob Hoskins, que fazia playback de "My Woman", em especial do solo inicial de trompete que seria samplado em "Your Woman".



Aos poucos, "Your Woman" foi chamando a atenção das rádios britânicas, que foram tocando até que a EMI ofereceu um contrato a Mishra e o tema foi reeditado como single no início de 1997, tendo chegado ao n.º1 do top do Reino Unido e mais tarde de Espanha, Islândia e Israel, e até chegou ao n.º 23 do top americano, numa altura em que não eram muitos os artistas britânicos singravam nos States. 

Para além do infecioso sample, outros dois factores chamaram a atenção do público. O videoclip filmado em Derby a preto e branco que era uma homenagem (com uma pitada de paródia) aos filmes do cinema mudo, que contava a competição (por vezes literal) entre a heroína ingénua e andrajosa e a vamp vilã pelo afecto de um homem algo empertigado e onde Jyoti Mishra aparecia em ecrãs de televisão. A outra foi a própria letra, pois tratava-se de um homem a cantar que nunca poderia ser a mulher de alguém. Surgiram muitas interpretações (Um homem apaixonado por uma lésbica? Um gay apaixonado por um heterossexual?) com Mishra a afirmar que podia haver muitas válidas. Mas a interpretação mais consensual é a que a letra é do ponto de vista de uma mulher que está a aperceber-se de que o seu amado não passa de um escroque pretensioso (e possivelmente um marxista performativo). Mishra terá sido inspirado por conhecidas suas nessa situação e por ele achar que a composição musical do ponto de vista masculino é enviesado pela dualidade santa/meretriz pela qual os homens costumam ver as mulheres. 



O álbum "Women In Technology" saiu em 1997, mas a recusa de Jyoti Mishra em fazer as típicas promoções como actuações em programas de televisão (por exemplo o "Top Of The Pops") e entrevistas para revistas generalistas, aliada à incapacidade da editora em conseguir promover um material que não se encaixava num género específico, levou a um desempenho modesto em termos de vendas, apesar de críticas positivas. O single "Undressed" ainda chegou ao n.º 57 do top britânico, mas "Wanted", uma das três faixas cantadas por Ann Pearson, passou completamente ao lado.

Sem qualquer surpresa, Mishra rescindiu com a EMI e desde então lançou mais cinco álbuns independentemente (o mais recente em 2021), continuando a imprimir à sua obra um cunho experimentalista e o activismo político. Por exemplo, no seu álbum de 2006, "Don't Mention The War", existe uma faixa, "These Are The MPs", que é uma lista dos nomes dos deputados do parlamento britânico que aprovaram a participação do Reino Unido na invasão ao Iraque em 2003. 


E mesmo se não guarda muitas saudades do seu breve momento na ribalta, Jyoti Mishra continua orgulhoso do impacto que "Your Woman" teve no público. Não só ainda canta regularmente o tema ao vivo como por vezes comenta no YouTube a agradecer em vídeos que falam  sobre a canção, como aquele de um dos meus YouTubers preferidos, Todd In The Shadows. Em 2017, houve uma nova versão chamada "Your Woman 1917" com instrumentos comuns em 1917.  

E o legado de "Your Woman" estendeu-se a outras obras: não só inúmeras covers em variadíssimos géneros, como o sample foi utilizado por exemplo em "Power Woman" pela dupla alemã Mark Van Dale & Enrico em 1998, por Naught Boy com Wiley e Emeli Sandé em "Never Be Your Woman" de 2010 e em "Love Again" de  Dua Lipa em 2020. Em 2007, uma comédia romântica com Michelle Pfeiffer e Paul Rudd recebeu o título de "I Could Never Be Your Woman" (curiosamente em Portugal, o título para o filme nestas bandas, "Nem Contigo Nem Sem Ti" foi escolhido por entre sugestões do público!).

Undressed


"Wanted" (com Ann Pearson)



Lew Stone Monseigneur Band com Al Bowlly "My Woman"





terça-feira, 10 de janeiro de 2023

Estrada Larga (1987-88)

"Estrada Larga" é uma série parte ficcionada, parte documental, originalmente exibida na RTP1 aos sábados de manhã em treze episódios entre 17 de Outubro de 1987 e 9 de Janeiro de 1988, tendo sido reposta no Verão de 1990 e depois mais algumas vezes na RTP Memória. A autoria era de Maria João Lucas e Manuel Pavese e a realização de José Manuel Tudela.



A série narrava as viagens da família Sousa Alves, composta pela mãe Catarina (Maria João Lucas), o pai António (João Mota), o Avô (Canto E Castro) e os filhos Luís Miguel (Pedro Jardim), Ana (Rita Salema) e André (Paulo Bernardo). Desejosa de quebrar a rotina e o ritmo acelerado de quem vive em grandes cidades, esta família decide ir passar um fim-de-semana à Serra da Estrela e a princípio fica desapontada quando constatam que não há neve. Porém, descobrem que existem alternativas igualmente divertidas como esqui de relva e de água. A partir daí, decidem fazer-se à estrada a cada fim-de-semana para descobrir os encantos naturais de Portugal e divertidas actividades de tempos livres. Por exemplo, rappel no Penedo da Amizade em Sintra, espeleologia na Serra da Arrábida, catamaran e esqui aquático na barragem de Montargil e cicloturismo no Alentejo.



Além dos seis membros da família, o elenco principal incluía um narrador, Luís Vicente (o eterno Átila de "Duarte e Companhia"), referido como "o sétimo personagem". Também houve participações especiais dos actores Almeno Gonçalves, Antonino Solmer, Alfredo Laranjinha e Manuela Carlos, bem como do coautor Manuel Pavese, no papel de um instrutor de mergulho.

Eu lembro-me de ver a série na sua exibição original e foi aí que vi que reparei pela primeira vez em Rita Salema, que apesar de fazer de adolescente na série, na altura já tinha 21 anos. Nesse ano de 1987, Maria João Lucas, coautora da série, tinha ficado no olho do público pelo seu papel marcante de Margarida na telenovela "Palavras Cruzadas".  

"Estrada Larga" encontra-se disponível para visualização na RTP Arquivos


domingo, 1 de janeiro de 2023

20 coisas que aconteceram há 20 anos (2003)



E cá vamos nós uma vez mais pelo século XXI a dentro e eis-nos acabados de entrar em 2023. Um ano que ainda não há muito tempo parecia estar a séculos de distância e que agora é o nosso presente. E é novamente com espanto que uma pessoa olha para trás e descobre que foi já há vinte anos que entrámos em 2003! Por essa altura, as memórias da viragem do século/milénio já eram distantes e o mundo já estava declaradamente noutra era. Embora tenha iniciado nesse ano a minha pós-graduação, 2003 foi para mim como que o meu primeiro ano verdadeiramente como adulto (e um vislumbre de quão atribulada iria ser a minha vida adulta).
Em Portugal, tal como 1997, 2003 foi como que um ano de contagem decrescente para o ano seguinte onde haveria um acontecimento que inevitavelmente iria marcar o país, no entanto foi sem dúvida um ano com muita identidade própria e com muita coisa para recordar.  


1. O regresso de conflitos no Iraque



Em Março de 2003, uma coligação liderada pelos Estados Unidos invadiu o Iraque sob a alegação de que o país possuía armas químicas de destruição massiva e para a libertação do povo iraquiano do regime totalitarista de Saddam Hussein. A invasão foi desde logo criticada dentro e fora dos Estados Unidos pelas suas infundadas justificações (uma investigação da ONU não revelou provas de posse de armas químicas no Iraque), a ausência de um mandato da ONU (ao contrário do que sucedeu na Guerra do Golfo de 1991), o custo humano e material da intervenção militar, a falta de planeamento pós-conflito, o potencial para desestabilização na região e que a preocupação pelos direitos humanos eram fachada para os interesses nos recursos petrolíferos. Até mesmo alguns países aliados dos Estados Unidos como Alemanha, França, Canadá e Nova Zelândia declararam-se contra a invasão.
Durão, Blair, Bush e Aznar reunidos nos Açores

Portugal deixou uma marca no acender do rastilho devido à reunião do primeiro-ministro Durão Barroso na base das Lajes nos Açores com o presidente americano George W. Bush e os primeiros-ministros britânico e espanhola, Tony Blair e José Maria Aznar a 16 de Março. Portugal enviou alguns membros da GNR em missão ao Iraque, onde a jornalista da SIC Maria João Ruela foi baleada numa perna quando fazia a cobertura de uma das missões. 
A fase da invasão durou cerca de um mês terminando com a tomada de Bagdade pela coligação, mas a guerra arrastar-se-ia até 2011. E afinal, para quê?
     

2. Nasceram em 2003 mas já fazem sensação 
É só em 2023 que estes nomes completarão duas décadas de vida mas já são muitos os nascidos em 2003 que já se distinguiram em várias áreas: a activista ambiental Greta Thunberg, a cantora e actriz Olivia Rodrigo, o rapper australiano The Kid LAROI, a ginasta campeã olímpica Sunisa Lee, o ás do ténis espanhol Carlos Alcaraz, a YouTuber/influencer JoJo Siwa, Quvenzhané Wallis que em 2012 se tornou a primeira actriz nascida no século XXI a ser nomeada para um Óscar e claro, o novo craque do futebol português António Silva.

Geração 2003: Greta Thunberg, Olivia Rodrigo e António Silva

3. Muitas mortes marcantes
Por outro lado foi em 2003 que nos despedimos da lenda da música country Johnny Cash e da sua esposa June Carter Cash; da grande diva do jazz Nina Simone; das lendas da música cubana Compay Segundo e Celia Cruz; da voz inconfundível de Barry White; de Maurice Gibb dos Bee Gees; da actriz quatro vezes oscarizada Katharine Hepburn; do actor bosquímano N!Xau Toma, estrela dos filmes "Os Deuses Devem Estar Loucos"; dos actores Gregory Peck, Bob Hope e Charles Bronson; de Gene Anthony Ray, o eterno Leroy de "Fama"; do realizador Elia Kazan; e do advogado Robert Kardashian, patriarca da mais famosa família dos reality shows. Em Portugal, destaque para os falecimentos do realizador João César Monteiro e da actriz Luísa Barbosa.

RIP 2003: Johnny Cash, Nina Simone, Katharine Hepburn, Charles Bronson

4. Ano de muitas sequelas cinematográficas
2003 viu a conclusão das trilogias de "O Senhor Dos Anéis" com o tomo final "O Regresso De Rei" e "Matrix" com "Matrix Revolutions" e "Matrix Reloaded". Se no caso do primeiro, foi uma apoteose bem recebida que seria coroada com onze Óscares, no caso das segundas, a opinião foi de que ficaram aquém das expectativas geradas pelo primeiro filme em 1999. 

Também houve segundos filmes de "X-Men", "Fast & Furious", "Os Anjos De Charlie", "Legalmente Loura" e "Os Bad Boys" e terceiros filmes de "American Pie", "Scary Movie" e "O Extreminador Implacável".

5. Filmes marcantes para todos os gostos


Mas nem só de sequelas se fez o cinema em 2003. Foi neste ano que Johnny Depp encarnou pela primeira vez o Capitão Jack Sparrow em "Os Piratas da Caraíbas", Ben Affleck foi o "Daredevil", Jamie Lee Curtis e Lindsay Lohan trocaram de corpos em "Freaky Friday - Um Dia De Loucos", Tom Cruise foi "O Último Samurai", Eric Bana foi "Hulk", Scarlett Johansson foi "A Rapariga de Brinco de Pérola", Queen Latifah foi "A Mulher Lá De Casa", Charlize Theron foi um "Monstro" e Jim Carrey "Bruce, O Todo-Poderoso". Andámos "À Procura Do Nemo", Kate Hudson e Matthew McCounaughey ensinaram-nos "Como Perder Um Homem Em 10 Dias", Bill Murray e Scarlett Johansson ficaram "Lost In Translation - O Amor É Um Lugar Estranho" e Uma Thurman iniciou a jornada como A Noiva em "Kill Bill". E porque "Love Actually - O Amor Acontece", uma chuva de estrelas (incluindo Lúcia Moniz) reuniu-se numa épica comédia natalícia. 
O cinema de terror foi servido por títulos como "28 Dias Depois", "Cabin Fever", "The Eye", "Jeepers Creepers 2", "Freddy vs. Jason", "Underworld", "Gothika" e a remake de "O Massacre No Texas". Houve comédia para vários gostos como "Crueldade Intolerável", "Johnny English", "Alguém Tem De Ceder", "Duplex" e "School Of Rock". No cinema de autor houve "Mystic River" de Clint Eastwood, "Big Fish" de Tim Burton e "21 Gramas" de Alejandro Gonzalez Iñarritú. Estrearam ainda títulos como "A Domadora de Baleias", "Liga de Cavalheiros Extraordinários", "Elf", "À Dúzia É Mais Barato", "O Sorriso Da Mona Lisa", "Cold Mountain", "Pago Para Esquecer" e um filme tão mau, tão mau, que deu à volta e se tornou de culto, "The Room".
No cinema português, houve o filme final de João César Monteiro "Vai E Vem", o "Filme Falado" de Manoel de Oliveira, "Os Imortais", "A Passagem da Noite", "O Fascínio" e Alexandra Lencastre foi "A Mulher Que Acreditava Ser Presidente dos Estados Unidos da América".

6. Muitos discos para recordar



2003 viu a edição de novos álbuns de Linkin Park ("Meteora"), Madonna ("American Life"), Metallica ("St. Anger"), OutKast ("Speakerboxxx/The Love Below"), Kylie Minogue ("Body Language"), Black Eyed Peas ("Elephunk"), Dido ("Life For Rent"), White Stripes ("Elephant"), Massive Attack (100th Window), Moloko ("Statues"), Melanie C. ("Reason"), Céline Dion ("One Heart"), Placebo ("Sleeping With Ghosts"), HIM ("Love Metal"), Fleetwood Mac ("Say You Will"), Pink ("Try This"), Radiohead ("Hail To The Thief"), Stereophonics ("You Gotta Go There To Come Back"), Simply Red ("Home"), Nelly Furtado ("Folklore"), Seal ("Seal IV"), The Bangles ("Doll Revolution"), Muse ("Absolution"), Limp Bizkit ("Results May Vary"), Sugababes ("Three"), Blink 182 ("Blink 182"), Hoobastank ("The Reason"), Britney Spears ("In The Zone"), Blur ("Think Tank") e Alicia Keys ("The Diary Of Alicia Keys").
Assim como os álbuns de estreia de Beyoncé ("Dangerously In Love"), 50 Cent ("Get Rich Or Die Tryin' "), Amy Winehouse ("Frank"), Evanescence ("Fallen"), Delta Goodrem ("Innocent Eyes"), Kelly Clarkson ("Thankful"), Kings Of Leon ("Youth & Young Manhood") e Joss Stone ("The Soul Sessions"). Realce ainda para o álbum homónimo de estreia de Maria Rita, filha de Elis Regina. 
E muito que se dançou em 2003 ao som de "Make Luv" de Room 5 e Oliver Cheatham, "Satisfaction" de Benny Benassi, "Mundian To Back Ke" de Panjabi MC, "Gia" da grega Despina Vandi, "Tô Nem Aí" da brasileira Luka, "Summer Jam 2003 (Fiesta)" de Underdog Project & Sunclub 

7. David Fonseca estreou-a solo



Por cá, após o estrondoso sucesso dos Silence 4, David Fonseca iniciava uma também muito bem sucedida carreira a solo com o álbum "Sing Me Something New", que continha os hits "Someone Who Cannot Love" e "The 80's".


 
2003 também viu a edição dos álbuns de estreia dos EZ Special e dos Toranja, de "Irmão Do Meio", disco de duetos de Sérgio Godinho com vários cantores, do segundo álbum de Mariza "Fado Curvo" e de "Focus" a colaboração entre Dulce Pontes e o grande maestro Ennio Morricone que incluía o esmagador "O Amor A Portugal". E o hit novelty do ano foi "As Meninas Da Ribeira Do Sado" dos Adiafa. 

8. O aparecimento da SIC Mulher e da MTV Portugal



A 8 de Março, por sinal o Dia Internacional da Mulher, estreava um novo canal SIC, a SIC Mulher. Como o nome indicava era um canal mais virado ao público feminino, focando-se sobretudo em séries e talk-shows. (De certa maneira era um pouco o contraponto à testosterona da SIC Radical.) Apesar de não fazer parte do público-alvo, era um canal que eu costumo ver ainda hoje. Destaco sobretudo o programa de Oprah Winfrey, The Biggest Loser USA, Masterchef Austrália e a encaranção original do "Querido, Mudei A Casa".

Por esta altura e com vários países a terem a sua própria MTV de formato nacional, a MTV Europe praticamente cobria agora Portugal, Grécia, uns quantos países de Leste e Israel (com os anúncios a  virem quase todos daí). Como tal foi a 1 de Julho que Portugal finalmente teve uma MTV formatada à sua dimensão, iniciando as emissões com um concerto dos Blind Zero. Felizmente ainda apanhámos uns bons anos de MTV Portugal em que passava várias horas de música por dia, em vez de eventualmente a música ter sido relegada para segundo plano em prol dos Ridiculouness, 16 And Pregnants, Catfishes e Geordie Shores desta vida. Diogo Dias foi desde muito cedo o rosto principal do canal mas por lá passaram também Filomena Cautela, Ana Luísa Barbosa e Ana Sofia Martins.       

9. A primeira temporada dos "Morangos Com Açúcar"





Mas a grande estreia televisiva de 2003 foi a temporada "Morangos Com Açúcar", a série teen da TVI exibida ao fim da tarde e que rapidamente conquistou o público jovem, tornando-se uma instituição que durou nove temporadas (subdivididas entre a época lectiva e as férias de Verão) sempre com renovações de elenco (e não só) a cada temporada.

Nesta primeira temporada, a história principal era a do triângulo amoroso entre Pipo (João Catarré), Joana (Benedita Pereira) e Ricardo (Diogo Amaral), e o elenco infanto-juvenil tinha nomes como Joana Solnado, Teresa Tavares, Filomena Cautela, Rodrigo Saraiva, Tiago Aldeia, Sofia Arruda, Patrícia Candoso, Manuel Moreira, João Baptista e Daniel Martins, secundados pela vertente adulta com nomes estabelecidos como Luís Esparteiro, Helena Isabel, Rita Salema, Guilherme Filipe, Almeno Gonçalves, Dalila Carmo, Carlos Vieira, Rodrigo Menezes e Sofia de Portugal. 

10. O ressurgimento dos programas de cantorias

Os 16 finalistas da primeira Operação Triunfo


Se os reality shows tiveram um certo apagar na televisão portuguesa, nomeadamente com um Big Brother 4 bem aquém das edições anteriores, os talent shows mereceram mais atenção. Na RTP, o ano viu estrear duas edições da "Operação Triunfo", adaptadas do bem-sucedido formato espanhol, apresentadas por Catarina Furtado (com o bordão "P'ró palco!") e que foi um dos primeiros trabalhos em televisão de Daniel Oliveira e Tânia Ribas de Oliveira. A primeira edição foi ganha por Sofia Barbosa e teve entre os concorrentes, Filipe Gonçalves, Edmundo Vieira (futuro D'ZRT), Flora Miranda (a Pipa dos Caricas), Rita Viegas (que entrou na segunda temporada de Morangos Com Açúcar e na telenovela "Jura") e Filipe Santos, que era do Entroncamento, logo quase meu conterrâneo e cheguei a ver na minha cidade panfletos a apelarem no seu voto. A segunda edição, que se estenderia até Janeiro de 2004, não teve um vencedor definido (Sofia Vitória pode ser considerada a vencedora de facto por ter sido a canção dela a escolhida para o Festival da Eurovisão) e nela participaram Francisco Rebelo de Andrade (irmão de Carminho), Fábia Rebordão, Dino D'Santiago (então Dino Pereira) e Paulo Vintém (outro futuro D'ZRT). Tal como na versão espanhola, as canções que os concorrentes cantavam nas galas em cada semana eram depois comercializados em CD.

Nuno Norte foi o vencedor da primeira edição do "Ídolos"


A alegria de uma muito jovem Luísa Sobral


Por outro lado, após o sucesso de "Pop Idol" no Reino Unido e de "American Idol" nos Estados Unidos, não tardou a que vários países tivessem a sua própria versão da franquia e Portugal não foi excepção, com a SIC a estrear a 5 de Setembro a primeira edição do "Ídolos", que foi ganha por Nuno Norte, com outro entroncamentense, Ricardo Oliveira em segundo lugar e uma muito jovem Luísa Sobral em terceiro. Nessa edição os apresentadores foram Sílvia Alberto e Pedro Granger e o painel de jurados era composto por Luís Jardim, Manuel Moura dos Santos, Ramón Galarza e Sofia Morais. Logo nessa primeira edição surgiram cromos como Rui Pedro ("Está muito forte, não está?") e Pedro Miranda ("Tomem lá morangos!", que curiosamente chegaria até quase à última fase de audições na segunda edição e mais tarde seria apresentador do "Curto Circuito".) Houve também alguma polémica pelo facto dos primeiros cinco dos dez finalistas que foram eliminados serem todos de raça negra, com os outros cinco caucasianos a chegarem ao top 5.      

Também estrearam na televisão portuguesa em 2003: as telenovelas "Saber Amar", "O Teu Olhar" e "Queridas Feras", as séries "Ana E Os Sete" e "Olá Pai!", "Levanta-te E Ri", "O Perfeito Anormal" e "Portugal No Coração", inicialmente conduzido por José Carlos Malato, Maria João Silveira e Merché Romero.  

11. A televisão na terra dos apanhados ricos



Lá fora estrearam séries como "The OC - Na Terra Dos Ricos", "Nip/Tuck", "That's So Raven!", "Dois Homens E Meio", "One Tree Hill", "Arrested Development", "NCIS", "Little Britain", "Mythbusters", e "Cold Case", reality shows como "Newlyweds" e "America's Next Top Model" e Ashton Kutcher começou a apanhar famosos em "Punk'd". 

12. A (não muito) simples ascensão de Paris Hilton
Bisneta do fundador da cadeia de hotéis Hilton, Paris Hilton era uma jovem socialite com algum currículo como manequim. Foi em 2003 Hilton atingiu a fama mundial que, para o melhor e para o pior, a tornaria num dos ícones dos anos 2000, inspirando muitas modas e manifestações de arte e dos media, quer de forma elogiosa, quer em tom pejorativo e de paródia. 

Paris Hilton e a sua chiuhuaua Tinkerbell

A 2 de Dezembro, estreou nos Estados Unidos "The Simple Life", o reality show em que Hilton e a sua amiga Nicole Ritchie (filha do cantor Lionel Ritchie) viajavam pela América fazendo todo o tipo de trabalhos comuns. Embora as suas personas no programa de duas raparigas ricas e mimadas fora da realidade das gentes comuns e em palpos de aranha para executar as tarefas domésticas e laborais mais simples fossem praticamente ficcionadas, Hilton cultivaria essa imagem em vários aspectos da sua vida pública, alcançando grande notoriedade e fortuna, mas também muito escrutínio derrogatório.  Porém, antes da estreia do programa, surgiu um outro factor que alavancaria a fama de Paris Hilton: uma gravação de 2001 das suas actividades sexuais com o então namorado Rick Solomon que começou a circular pela internet. Essa gravação acabaria por ser comercializada por Solomon em 2004 sob o título "1 Night In Paris".    

13. O último Festival da Eurovisão sem semifinais (e a primeira Eurovisão dos pequenitos)

Sertab Erener trouxe a primeira vitória na Eurovisão
para a Turquia.


O 48.ª Festival da Eurovisão realizou-se a 24 de Maio em Riga, na Letónia, com a participação de 26 países, nomeadamente de Portugal, ausente no ano anterior, e da Ucrânia que se estreava no certame. Foi a última edição antes da introdução das semifinais e a primeira em que o quadro de pontuação actualizava a classificação à medida que os pontos iam sendo anunciados. A Turquia venceu com o tema "Every Way That I Can" interpretado por Sertab Erener, batendo apenas por dois pontos a Bélgica, cuja canção "Sanomi" era cantada numa língua imaginária. A Rússia apostava forte com as tATu, o famigerado duo pseudo-lésbico que na altura estava no auge do seu sucesso internacional, mas ficou-se pelo terceiro lugar. Portugal foi representado por Rita Guerra e a canção "Deixa-me Sonhar (Só Mais Uma Vez)" e ficou em 22.º lugar. O grande desastre foi a prestação do Reino Unido, cuja paupérrima canção "Cry Baby" do duo Jemini (não confundir com os nossos Gemini de "Dai-Li-Dou", claro!) ficou a zeros.  






Foi também em 2003 que teve lugar a primeira edição do Festival da Eurovisão Júnior a 15 de Novembro em Copenhaga. Participaram jovens cantores de dezasseis países, incluindo a Bielorrússia que então ainda não tinha competido na Eurovisão adulta (Portugal só participaria pela primeira vez em 2006), e a vitória foi para a Croácia na voz do jovem Dino Jelusic de 11 anos

14. Portugal organizou eventos desportivos à escala mundial
Um ano antes do Euro 2004, em 2003 Portugal testou a sua habilidade de receber eventos desportivos à escala global. 

A Croácia sagrou-se campeã mundial de andebol em Portugal

De 20 de Janeiro a 2 de Fevereiro, 24 países disputaram o Campeonato Mundial de Andebol com nove cidades portuguesas a receberem jogos: Caminha, Espinho, Funchal, Guimarães, Póvoa do Varzim, Rio Maior São João da Madeira, Viseu e, nos jogos finais, Lisboa. Na final, a Croácia bateu a Alemanha por 34-31 e a França derrotou a Espanha por 27-22 para o terceiro lugar. Portugal ficou em 12.º lugar. 



Uma exibição portuguesa na Gymnaestrada 2003


De 20 a 26 de Julho, Lisboa recebeu a 12.ª Gymnaestrada Mundial. Este evento não-competitivo reuniu mais de 25 mil participantes de todas as idades, vindos de 47 países, e que realizaram mais de mil exibições dos diversos tipos de ginástica em vários pontos da capital e dos concelhos limítrofes. A edição de este ano realizar-se-á em Amesterdão e em 2027, Lisboa voltará a receber o evento.

Em termos desportivos, Portugal conquistou mais um título mundial em hóquei em patins no campeonato disputado em Oliveira de Azeméis e subiu sete vezes ao pódio no Festival Olímpico da Juventude Europeia em Paris, com destaque para os futuros atletas olímpicos Tiago Venâncio (ouro nos 50 e 100m livres), Liliana Cá (ouro no lançamento do disco), Arnaldo Abrantes (prata nos 110m barreiras) e Diana Gomes (bronze nos 200m bruços). 

15. O princípio das redes sociais e das lojas de música online 



Na altura ainda reinava a terra de ninguém em termos de adquirir música, mas foi em 2003 que foi aberta a iTunes Store e o Napster tornou-se um site legal de música.
Foi em Agosto de 2003 que foi lançado o MySpace, que se tornaria a primeira rede social a ter uma audiência global, chegando a ser a maior delas entre 2005 e 2008, até que foi ultrapassada pelo Facebook. (Em 2019, o site registou apenas sete milhões de visitas.) 

16. Um prenúncio da COVID-19



Em Março de 2003 foi lançado um alerta global devido à epidemia de síndrome respiratória aguda grave (SARS), causada pelo coronavírus SARS-CoV. A doença tinha sido identificada pela primeira vez em Novembro de 2002 na cidade chinesa de Foshan. Foram detectados mais de 8000 casos e 774 mortes em 29 países devido à doença. Em Julho, a Organização Mundial de Saúde declarou que a epidemia estava contida, mas mais casos foram detectados até Maio de 2004.

17. Outros acontecimentos



- Na sequência do caso Casa Pia, Carlos Cruz é detido pela polícia quando se deslocava para o Algarve com a sua esposa Raquel Rocheta e a filha de ambos. Numa daquelas ironias da vida, a detenção ocorreu a 1 de Fevereiro, ou seja a 1/2/03.  
- A dominicana Amelia Vega e a irlandesa Rosanna Davidson são coroadas respectivamente Miss Universo e Miss Mundo. Curiosamente, ambas ligações familiares à música pois Vega é sobrinha de Juan Luis Guerra, o cantor de "Borbujas De Amor", e Davidson filha do cantor Chris DeBurgh e da sua esposa Diane, a "Lady In Red".
- Luís Inácio "Lula" da Silva assume o seu primeiro mandato na Presidência do Brasil, cargo que ocupará até 2010 e ao qual regressa em 2023.
- Arnold Schwarzenegger foi eleito Governador do estado da Califórnia, cargo que ocupou até 2011. 
- A República Federal da Jugoslávia passou a ser denominada oficialmente como Sérvia & Montenegro, designação que manteve até 2006, quando o Montenegro declarou independência.
- A surfista americana Bethany Hamilton, de 13 anos, sofreu um ataque de um tubarão que lhe arrancou o braço esquerdo. Mas um mês depois, Hamilton voltou a surfar e  no ano seguinte publicou um livro contando a história do ataque e da sua luta pela sobrevivência que foi adaptado a um filme em 2011. Bethany Hamilton ainda hoje é surfista profissional e tem três filhos.  


18. O FCP de Mourinho reinou supremo






No futebol, o Futebol Clube do Porto comandado por José Mourinho estava em fase imperial, vencendo o campeonato, a Taça de Portugal (derrota ao União de Leiria) e sobretudo conquistando a Taça UEFA em Sevilha frente ao Celtic de Glasgow (3-2), tornando-se assim a primeira equipa portuguesa a conquistar o troféu. Já a final nacional da Liga dos Campeões em Manchester foi um despique 100% italiano com o AC Milan a bater a Juventus nas grandes penalidades. 

A festa dos sub-17 campeões europeus
(com uns muito jovens Miguel Veloso e João Moutinho)

Portugal acolheu o Europeu de Sub-17 nos distritos de Vila Real e Viseu, vencendo na final a Espanha por 3-2 numa equipa que tinha nomes como João Moutinho, Miguel Veloso, Carlos Saleiro e Vieirinha. Mais problemática foi a participação meses mais tarde no Mundial da mesma categoria etária na Finlândia: contra o Iémen vitória suada (4-3), contra o Brasil derrota por chapa cinco, contra os Camarões um chocante empate (5-5, quando Portugal chegou a estar a ganhar por 5-0!) e eliminação clara nos quartos-de-final pela Espanha (2-5)!  

19. A contagem decrescente para o Euro 2004



A caminho do Euro 2004, os novos estádios foram sendo inaugurados e a Selecção Nacional foi fazendo vários jogos particulares. Destaque para quatro jogos: a vitória ao Brasil por 2-1 ainda no antigo estádio das Antas que marca a estreia de Deco (que marcou um dos golos contra o seu país de nascença) e onde a mascote Kinas foi apresentada; o difícil empate com a Grécia (1-1) na inauguração do Estádio de Aveiro, um sério aviso do que viria aí (mas que, claro, ninguém ouviu); a goleada 8-0 contra o Kuwait na inauguração do Estádio Magalhães Pessoa em Leiria; e uma soporífera vitória por 1-0 contra o Cazaquistão em Chaves, que ficaria na história por marcar a estreia na Selecção A de um certo Cristiano Ronaldo dos Santos Aveiro.

Os grupos do Euro 2004


Entretanto ficaram-se a conhecer as quinze seleções que viriam disputar o título europeu: Alemanha, Bulgária, Dinamarca, França, Grécia, Inglaterra, Itália, República Checa, Suíça e Suécia venceram os respectivos grupos de qualificação enquanto Espanha, Croácia, Letónia, Países Baixos e Rússia apuraram-se nos play-offs. Destaque para os afastamentos da Turquia, terceira classificada do Mundial de 2002, no que devia ser um play-off fácil contra a Letónia, e do País de Gales de Ryan Giggs que deu dificuldades à Itália no seu grupo (e que creio que não minto ao afirmar que a maioria dos portugueses preferia ver cá a jogar em vez da Rússia que bateu os galeses no play-off). A 30 de Novembro realizou-se o sorteio dos quatro grupos que ditou que Grécia, Espanha e Rússia estariam no grupo de Portugal. 

20. O início da lenda de CR7 na inauguração do novo Alvalade






Desde menino e moço que Cristiano Ronaldo fazia abrir bocas de espanto com o seu talento com uma bola nos pése com apenas 18 anos, já se fizera notar na equipa principal do Sporting e nas selecções das camadas jovens (esteve na equipa que venceu a edição de 2003 do prestigiado torneio de Toulon). Em 2003, vários grandes clubes europeus já o tinham debaixo de olho, nomeadamente o Manchester United, mas o plano era o jovem madeirense jogar pelo menos mais uma época no Sporting antes de dar o salto internacional. Mas o jogo de inauguração do novo Estádio de Alvalade a 6 de Agosto (onde Dulce Pontes cantou pela primeira vez "O Amor A Portugal") mudou esse plano. 

Sir Alex Ferguson com o jovem Ronaldo


O Sporting bateu o Manchester United por 3-1, com um golo de Luís Filipe e dois de João Vieira Pinto, mas foi Cristiano Ronaldo quem mais brilhou, com John O'Shea incapaz de lhe marcar e os jogadores do Manchester de queixo caído diante do repertório de dribles daquele rapaz. Segundo a biografia de Sir Alex Ferguson, ao intervalo este já pedia a Peter Kenyon (então director desportivo dos Red Devils) para não se irem embora sem contratar aquele rapaz. Dias depois, após uma venda de 17,35 milhões de euros, Ronaldo rumava a Old Trafford e o resto é história…   

E vós, caros leitores e amigos da Enciclopédia de Cromos, que memórias guardam do ano de 2003? Que acontecimentos e factos se lembram e que não foi mencionado neste artigo? Para todos vós, um feliz ano novo!


Remember 2003:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...