terça-feira, 30 de abril de 2013

Fialho Gouveia (1935 - 2004)


Uma das figuras incontornáveis da rádio e televisão portuguesa do séc. XX. Uma cara ( e voz) tão familiar nos nossos pequenos ecrãs, que era quase parte da família. Uma figura simpática que deixou saudades. De nome completo José Manuel Bastos Fialho Gouveia, apenas Fialho Gouveia para os ouvintes e espectadores, nasceu a 30 de Abril de 1935 no Montijo. 


Começou a carreira na rádio, mas entrou como locutor para a RTP em 1957, o mesmo ano que começaram as emissões regulares de televisão no nosso país. Continuava a trabalhar em rádio, mas em 1969, o primeiro grande êxito chegou com o talk-show Zip-Zip ( com Raul Solnado e Carlos Cruz ). 

Durante a revolução do 25 de Abril de 1974 foi uma das caras da histórica cobertura televisiva dos acontecimentos. Depois, segundo a Infopédia: "foi co-apresentador, apresentador ou produtor de programas como, entre outros, A Visita da Cornélia, O Gesto é Tudo, E o Resto São Cantigas, A Prata da Casa, Par ou Ímpar, Com Pés e Cabeça, Arca de Noé, tendo trabalhado, por diversas vezes, em equipa com Raul Solnado e Carlos Cruz. Em 1996, ao fim de quase quarenta anos na RTP, decidiu abandonar a estação de televisão e passou a trabalhar na produção de programas, na empresa Carlos Cruz Audiovisuais." 

Além de vários Festivais da Canção, também foi o primeiro apresentador dos Jogos Sem Fronteiras, em 1979, a primeira vez em que o nosso país participou no evento.




Este grande comunicador calou-se em  2 de Outubro de 2004, vitimado por doença cardiovascular, com múltipla falência de orgãos.





Conheça-se a si próprio (1983)

Não é usual um anúncio começar logo por acusar o potencial cliente de preguiçoso. Mas é assim que este anúncio do livro de teste e questionários "Conheça-se a si próprio: Mais de 40 autotestes que o ajudarão a descobrir a sua personalidade" responde à pergunta "Que fez ultimamente por si mesmo?". Leia a descrição no próprio anuncio:

Segundo a PORBASE Base Nacional de Dados Bibliográficos, o título original é "Understanding yourself", e faz parte da colecção Arte de Viver, e foi traduzido por  Maria da Graça Tovar de Lemos para as publicações Europa-América. A capa indica que este é o volume 1, mas não consegui encontrar a capa do volume 2.



Publicidade retirada da revista Crónica Feminina nº 1411, de 8 de Dezembro de 1983.


Como sempre, o leitor pode partilhar experiências, corrigir informações, ou deixar sugestões aqui nos comentários, ou no Facebook da Enciclopédia: "Enciclopédia de Cromos"

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Armazéns de Móveis do Norte em Lisboa (1983)

No final do ano passado publiquei aqui os anúncios dos "Armazéns de Móveis do Norte em Lisboa" sobre as Promoções de Páscoa de 1985 (ver). Os trago hoje, são muito semelhantes, mas relativos à temporada de Natal de 1983:



Publicidade retirada da revista Crónica Feminina nº 1411, de 8 de Dezembro de 1983.


Como sempre, o leitor pode partilhar experiências, corrigir informações, ou deixar sugestões aqui nos comentários, ou no Facebook da Enciclopédia: "Enciclopédia de Cromos"

domingo, 28 de abril de 2013

Nordeste - Doces de Fruta (1983)

Depois de algumas semanas sem novidades da publicidade de outros tempos, regresso com alguns anúncios retirados de uma Crónica Feminina do final de 1983. O primeiro é aos doces "Nordeste".
Uma foto de uma típica avozinha apanhada na cozinha a preparar os doces de fruta, com a frase sobreposta: "sabor a fruta, saber caseiro.". O anúncio é completado com um close up de uma cesta recheada dos frascos dos "doces de fruta do Nordeste, o sabor da natureza" e a descrição dos variado sabores dos doces e geleias.


Publicidade retirada da revista Crónica Feminina nº 1411, de 8 de Dezembro de 1983.

Como sempre, o leitor pode partilhar experiências, corrigir informações, ou deixar sugestões aqui nos comentários, ou no Facebook da Enciclopédia: "Enciclopédia de Cromos"

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Secos e Molhados - Policias contra Policias (1989)


A manifestação que ficou para a história com o nome "Secos e Molhados", realizou-se a 21 de Abril de 1989 em Lisboa, na Praça do Comércio. Nesse dia o pais assistiu pela TV ao confronto de policias contra policias, resumido pelo jornal Expresso: 
"...uma manifestação de polícias fardados em defesa da liberdade sindical que acabou dispersa por colegas à bastonada, com cães e canhões de água." in Expresso (2008)

"....os polícias exigiam liberdade sindical, uma folga semanal, transparência na justiça disciplinar com direito de defesa, melhores vencimentos e condições laborais. A manifestação acabou em confrontos, com o Corpo de Intervenção da PSP a lançar jactos de água e a usar bastões para dispersar o protesto dos polícias na Praça do Comércio, enquanto a delegação de seis agentes que estava dentro do MAI para entregar um caderno reivindicativo acabou detida." in Expresso (2009)


Um excerto do programa "Perdidos e Achados" sobre o assunto:



Um artigo no blog "Por Maioria de Razão" narra os acontecimentos, segundo quem os experimentou na pele:

"Foi efectivamente uma tarde muito difícil para ambos os lados. O confronto por si só, entre polícias é já de si algo impensável e inquestionavelmente muito violento visto de fora, como largamente foi desenvolvido pelos media. as visto por dentro, por alguém que estava dos dois lados, que se sentiu molhado e seco, é naturalmente mais violento." in "Por Maioria de Razão" (2012)

Caro leitor, pode sempre falar connosco nos comentários do artigo, ou no Facebook da Enciclopédia: "Enciclopédia de Cromos"Visite-nos também no "Tumblr - Enciclopédia de Cromos".

sábado, 20 de abril de 2013

Donald - O Fantasma do Castelo MacPato (1988)


Como leitor compulsivo, era uma alegria receber de prenda - de natal, aniversário, etc - livros. Já mencionei várias vezes que não sou nenhum fanboy da Disney, mas este álbum foi dos meus favoritos. Como não? Castelo assombrado+tesouro+passagens secretas! Este álbum, editado pela Verbo em 1988,  "Donald - O Fantasma do Castelo MacPato" foi dos que li e reli vezes sem conta. Reencontrei-o há uns meses e não resisti a tirar umas fotos para postar aqui. Talvez noutra altura - com mais tempo - me divirta a passá-lo na integra pelo scanner.
Parte da colecção "Grandes Aventuras", além da história principal, "O Fantasma do Castelo MacPato", que deu título ao álbum, inclui ainda a divertida "O Sofá Expresso". 
The Old Castle's Secret (1947)

"O Fantasma do Castelo MacPato" foi publicada em 1947 pela primeira vez, escrita e desenhada pelo mítico Carl Barks, com o título "The Old Castle's Secret", e marcou a primeira caça ao tesouro de Donald, os sobrinhos e o Tio Patinhas (que fazia aqui a sua segunda aparição nos livros da Disney), a antecederem as futuras aventuras dos Duck Tales. Esta historia tem ainda a distinção de ser considerada pelos fãs uma das melhores entre as clássicas da Disney.
Primeira página de "O Fantasma do Castelo MacPato".

"O Sofá Expresso"

O verso do álbum.
No capa do verso, está a indicação dos álbuns já publicados na colecção "Grandes Aventuras":
"Donald e as Invenções Malucas", "Mickey, Mistérios no Mar", e a publicar: "Mickey, O Triângulo das Bermudas".

NOTAS:



Caro leitor, pode sempre falar connosco nos comentários do artigo, ou no Facebook da Enciclopédia: "Enciclopédia de Cromos"Visite-nos também no "Tumblr - Enciclopédia de Cromos".

sexta-feira, 19 de abril de 2013

A Tragédia de Waco (1993)



Na Enciclopédia costumamos abordar assuntos divertidos, que nos trazem boas recordações da juventude. Mas há certos acontecimentos que marcaram pela negativa uma época e que também temos a obrigação de recordar. Ao longo da nossa vida, somos confrontados, principalmente através da comunicação social, com catástrofes, naturais ou humanas, acidentais ou intencionais, na nosso canto próximo ou recôndito do planeta. E este foi um dos tais acontecimentos, que apesar de decorrer no outro lado do Atlântico, deixou o Mundo em estado de choque: falo do final violento a 19 Abril 1993 do cerco em Waco que começou em Fevereiro. Ao fim de 50 dias, o cerco terminou por causa de um incêndio, que quando foi extinto revelou 56 vitimas mortais - entre homens, mulheres e crianças - incluindo o líder da seita, o infame Vernon Wayne Howell, que ficou conhecido para a história pelo nome David Koresh

Foi uma tentativa de o US Bureau of Alcohol, Tobacco and Firearmsde tentar executar um mandato de busca, pela suspeita de posse de armas ilegais (além de denúncias anteriores de abusos sexuais com menores) na casa da seita em Mount Carmel Center. No tiroteio que se segui, morreram 4 agentes e 6 seguidores do grupo religioso Branch Davidians. Em seguida, o FBI iniciou o cerco à propriedade, e a 19 de Abril, durante o assalto das autoridades, que começou com libertação de gás lacrimogéneo, iniciou-se o incêndio  em três partes diferentes da propriedade.




Apenas 9 seguidores abandonaram o edifico onde resistiam num bunker com bastante armamento e máscaras de gás. Os restantes foram vitimas do desmoronamento, sufocados, esfaqueados  ou abatidos a tiro. Tudo enquanto as televisões emitiam imagens em directo para todo o Mundo. Segui-se os julgamentos, processos e controvérsias. Controvérsias essas, que duram até hoje.
Timothy McVeigh, executado em 2001 pelo atentado terrorista de Oklahoma [19 de Abril de 1995] que vitimou 168 pessoas, declarou que o fez como vingança pelo cerco a Waco.

Na Wikipédia há uma página que detalha bem os acontecimentos do dia (em inglês): "Waco_siege"

Caro leitor, pode sempre falar connosco nos comentários do artigo, ou no Facebook da Enciclopédia: "Enciclopédia de Cromos"Visite-nos também no "Tumblr - Enciclopédia de Cromos".

terça-feira, 16 de abril de 2013

"Ave do Paraíso" Tessa (Festival da Canção de 1983)

por Paulo Neto

Hoje os tempos são outros mas eu, e creio que muitos portugueses, tenho memórias muito vívidas do Festival da Canção nos anos 80 e 90, quando era um ponto alto da saison televisiva. O país parava ver o certame, no dia seguinte havia tantas discussões sobre os resultados como os dos jogos de futebol e pelo menos duas ou três canções tornavam-se hits nacionais. E claro está, muitas das canções vencedoras continuam bem presente no disco rígido mental de qualquer português e são ainda trauteadas por gente de todas as idades. 



O Festival RTP da Canção de 1983 é o primeiro de que me lembro ter visto na televisão, se bem que só me recordo da imagem do Armando Gama ao piano. Para a sua 20.ª edição, o Festival deixou pela primeira vez a capital e deslocou-se à Cidade Invicta, tendo tido lugar a 5 de Março desse ano no Coliseu do Porto. Eládio Clímaco e Valentina Torres (com um vestido bem eighties, com uma manga e um mega laçarote) foram os apresentadores de serviço.



Como é bem sabido, Armando Gama venceu o certame com "Esta Balada Que Te Dou" e não só ganhou o bilhete para Munique, onde iria representar Portugal na Eurovisão, como conquistou Valentina Torres com quem viria a casar esse ano, uma união que durou mais de vinte anos e gerou dois filhos. (Actualmente, Armando Gama espera um filho da actual relação). Durante anos a fio, na parte onde Gama canta "Um sonho, um livro", eu e muita gente julgava que ele dizia "Um sonho lindo".

Mas foram muitos os nomes conhecidos que passaram pelo palco do Festival, a começar com Herman José, que ficou em segundo lugar com "A Cor Do Teu Baton"; Helena Isabel que cantou "Afinal Quem És Tu" e que teria em 1983 um ano em cheio (brilhou em "O Tal Canal", protagonizou a telenovela "Origens" e despiu-se em "Os Abismos da Meia-Noite"); Jorge Fernando, dois anos antes do "Umbadá", trazia "Rosas Brancas Para o Meu Amor"; Ana repetindo muitos "Parabéns a Você"; Alexandra com "Rosa Flor Mulher"; os Broa de Mel com "No Calor da Noite", uma canção que não podia ser mais diferente daquela que levaram no ano anterior; o cantor pimba avant-la-lettre Xico Jorge queixava-se de "Mal de Amores" e os malogrados Carlos Paião e Cândida Branca-Flor com "Vinho do Porto, Vinho de Portugal". 

Houve também espaço para revelar duas vozes desconhecidas que tiveram neste Festival o seu único momento de notoriedade. Uma delas foi Sofia, que ainda por cima, não cantou uma mas duas canções, curiosamente as duas primeiras canções do certame: "Erva Ruim" e "Terra Desmedida". O que terá acontecido a Sofia de tão doce voz?

A outra ilustre desconhecida da qual nada se ouviu falar antes nem depois foi Tessa, que porém deixou para a posterioridade um dos momentos mais cromos da história do Festival da Canção.



Tessa subiu ao palco para cantar "Ave do Paraíso", com letra e música de Américo Machado de Faria. Na letra estavam versos como "Gosto do teu pijama antes de deitar", "Voltamos ao avesso o nosso quinto andar" e "Ao sentir-te amor na vertical". Pois este foi o resultado (preparem os ouvidos!):

  

Como seria de prever, "Ave do Paraíso" ficou no 12.º e último lugar, com 6 pontos (4 dados pelo júri de Coimbra). E assim aconteceu o momento de glória croma para Tessa. Nos seus espetáculos, Herman José tem por vezes imitado Tessa, mantendo assim viva a sua memória. Eis aqui um exemplo:



O mesmo número ao vivo na RTP: http://www.youtube.com/watch?v=uofE5FwhuX4

Não é qualquer um que consegue em apenas três minutos de fama manter um cromo tão divertidamente perene trinta anos depois, por isso um aplauso para Tessa!

Brevemente, haverá um cromo dedicado ao Festival da Eurovisão desse mesmo ano de 1983 em Munique, amplamente considerado o mais cromo de sempre!

Festival da Canção 1983 no site "Festivais no Sapo"http://festivais.wixsite.com/1983/fall-winter




segunda-feira, 8 de abril de 2013

Os Roberts - Danger Bay (1984-1990)

por Paulo Neto

Adoro quando algo faz-me abrir uma janela na minha mente e relembro-me de uma memória há muito esquecida. Foi o que aconteceu quando Ruby Kruss, uma seguidora da "Enciclopédia de Cromos", colocou um post na nossa página oficial do Facebook, perguntando se alguém se recordava de uma série "supé ecológica" sobre um pai viúvo com dois filhos que trabalhava num aquário, arriscando o nome "Robinsons" para o título e/ou nome da família. De facto, a descrição da Ruby fazia ressoar algo na mente de vários amigos da Enciclopédia, incluindo eu próprio, mas ninguém conseguia avançar mais pormenores. Eventualmente lembrei-me que a personagem da filha chamava-se Nicole e que a actriz tinha um nome hippie tipo Oceana. Munindo-me apenas desses dados pesquisei na parte de TV do site imdb.com e não é que descobri?



Tratava-se de "Danger Bay", uma série canadiana co-produzida pela Disney, que teve seis temporadas exibidas na América do Norte entre 1984 e 1990. Em Portugal, a série foi exibida sob o título "Os Roberts" e chegou a dar no "Clube Amigos Dinsey" mas também acho que chegou a dar no espaço infanto-juvenil da RTP das manhãs de fim de semana. Também foi exibida em países tão diferentes como Islândia, Cuba, Bulgária, Gibraltar e Iraque. 


A série narrava as aventuras da dita família Roberts, composta pelo pai Grant "Doc" Roberts (Donelly Rhodes) um biólogo marinho que trabalha num oceanário em Vancouver e os seus dois filhos Jonah (Christopher Crabb) e Nicole (Ocean Hellmann). A Ruby Kruss recordava-se sobretudo de que Jonah era um futuro às do ténis e que num episódio, o rapaz descurava das suas obrigações como ajudante no oceanário devido à sua obsessão com um jogo de ténis. Já eu lembrava-me da filha Nicole que apesar que apesar de adolescente, era uma espécie de ajudante da polícia marinha e que chegava a pilotar helicópteros.



Como é inevitável numa série protagonizada por um pai viúvo, havia uma personagem feminina que se tornava uma figura maternal para os filhos e um futuro interesse amoroso para o pai. Aqui era J.L. Duval (Susan Walden) uma intrépida piloto da Polícia Marítima e mentora de Nicole, que acabaria por casar com Doc na quinta temporada. Outra personagem recorrente era Donna Chen (Michelle B. Chan), a assistente asiática de Doc.

Em cada episódio, a família Roberts e os seus aliados tinham de enfrentar vários perigos, como contrabando de peles e tráfico de animais, sendo uma das primeiras séries a ter causas ecológicas como tema fulcral. Mas claro que pelo meio, havia situações onde Jonah e Nicole aprendiam lições de vida e lidavam com os problemas típicos da adolescência e os avanços e recuos da química entre Doc e J.L.



Os actores da série continuam activos na representação. Donelly Rhodes é um dos actores mais respeitados no Canadá e continua a marcar presença em várias séries e telefilmes estadounidenses e canadianos e em filmes como "Tron: O Legado". Todo o elenco principal teve nomeações para os prémios Gemini (os Emmy canadianos), tendo Christopher Crabb ganho o prémio de Melhor Jovem Actor em 1989.

Genérico:



 Excerto do episódio "The Contender" (o tal de que a Ruby se lembrava): http://www.youtube.com/watch?v=NVYW61Rp1sQ

Margaret Tatcher, a Dama de Ferro

Margaret Thatcher (1925-2013)

Em Maio de 2012 o PTJornal recordava a data em que Margaret Tatcher, a Dama de Ferro, subiu ao poder:


"Margaret Thatcher foi eleita a 4 de maio de 1979, tornando-se na primeira mulher eleita chefe do governo em Inglaterra, cargo que ocupou até 1990. A firmeza da sua ação levou a que fosse apelidada de ‘Dama de Ferro’." in PTJornal
Leia o texto completo:
"4 de maio, Margaret Thatcher torna-se na primeira mulher a liderar o governo britânico"

Margaret Hilda Thatcher (Lincolnshire, 13 de Outubro de 1925 - Londres, 08 de Abril de 2013) é uma política britânica, primeira-ministra de 1979 a 1990. Nas eleições gerais de 1959 no Reino Unido ela foi eleita parlamentar pela região de Finchley. Edward Heath nomeou Thatcher secretária do Departamento de Educação e Habilidades em seu governo de 1970. Em 1975 ela foi eleita líder do Partido Conservador, sendo a primeira mulher a liderar um dos principais partidos do Reino Unido, e em 1979 ela se tornou a primeira mulher a ser primeira-ministra do Reino Unido. Suas políticas económicas foram centradas na desregulamentação do setor financeiro, na flexibilização do mercado de trabalho e na privatização das empresas estatais. Sua popularidade esteve baixa em meio à recessão económica iniciada com a Crise do petróleo de 1979; no entanto, uma rápida recuperação económica, além da vitória britânica na Guerra das Malvinas, fizeram ressurgir o apoio necessário para sua reeleição em 1983.
Devido ao fato de Thatcher ter sobrevivido a uma tentativa de assassinato em 1984, de sua dura oposição aos sindicatos e de sua forte crítica à União Soviética, foi apelidada de "Dama de Ferro" (Iron Lady). Thatcher foi reeleita para um terceiro mandato em 1987, mas sua impopular visão crítica à criação da União Europeia lhe fez perder apoio em seu partido, renunciando aos cargos de primeira-ministra e líder do partido em 1990. Adaptado da Wikipedia

Uma rápida biografia da controversa política:

Em 2011 estreou o filme "Iron Lady", com Meryl Streep no papel de Tatcher:


Margareth Tatcher faleceu a 04 de Abril de 2013, como consequência de um acidente vascular cerebral, conforme noticia o jornal Público [Morreu Margareth Tatcher].

Saiba mais: Cultural_depictions_of_Margaret_Thatcher

sábado, 6 de abril de 2013

U Can't Touch This - MC Hammer


Este êxito mundial do inicio da década de 90, além de ter celebrizado o autor, introduziu as expressões "U Can't Touch This" e "Hammer time" na cultura pop, além de inúmeras paródias e versões. Eu não serei o tipo mais indicado para falar de hip-hop, rap, ou whatever, mas decidi fazer o post depois de usar o título da canção para fazer uma piadola no Facebook [aqui]. É este o legado do artista MC Martelo, Hammer para os amigos? Segundo a amiga Wikipédia, esta canção está simultaneamente na lista de "100 Maiores Canções de Hip Hop" e "100 Piores Canções de Todos os Tempos". Decidam-se!

O tema foi o single mais bem sucedido do álbum "Please Hammer, Don't Hurt 'Em", o terceiro do rapper californiano Stanley Kirk Burrell, mais conhecido por M.C. Hammer, Hammer, Hammertime ou King Hammer.




"U Can't Touch This" usa um sample do tema "Super Freak" (1981 - ouvir aqui) de Rick James. Obviamente, Rick James processou Hammer. Um acordo extra-judicial foi estabelecido e Rick James foi creditado como co-compositor e passou a ter direito a parte das vendas. Provavelmente já ouviram o mesmo riff no mais recente "Wassup" de Da Muttz (video). "U Can't Touch This" é - goste-se ou não -daqueles temas orelhudos, que marca uma época, quer pela música ou pelas coreografias ( e belas vestimentas) no videoclip de promoção, da autoria do realizador inglês Rupert Wainwright. A canção garantiu a Hammer dois Grammys em 1991: Best R&B Song e Best Rap Solo Performance.

Uma das derivações mais espalhadas na Internet é o meme "Halt! Hammerzeit!":

E claro que não podia escapar à paródia de "Weird Al" Yankovich"I Can't Watch This" (video).

Na "Caderneta de Cromos" de Nuno Markl de 14 de Maio de 2010: "MC Hammer [Ouvir/Download Podcast Mp3]"

Caro leitor, pode sempre falar connosco nos comentários do artigo, ou no Facebook da Enciclopédia: "Enciclopédia de Cromos"Visite-nos também no "Tumblr - Enciclopédia de Cromos".

terça-feira, 2 de abril de 2013

David O Gnomo Nº 4 - "O Bebé Troll"

David O Gnomo Nº 4  - "O Bebé Troll" (Edições Latinas) é uma revista de banda desenhada com 31 páginas, de finais dos anos 80. Já o tinha mencionado na Enciclopédia antes (aqui), mas como hoje é o Dia do Livro Infantil*, e não faço discriminação entre livros de prosa ou de banda desenhada, partilho de modo integral esta aventura de David, O Gnomo, um dos ídolos de toda uma geração croma:


Adaptação em banda desenhada do 4º episódio da clássica série "David O Gnomo", cuja maior curiosidade acontece na página 7, em que surge uma jovem gnoma em topless. Sim, leu bem, em topless! A prova:



Depois de ouvir no dia 24 de Janeiro de 2012 o cromo da "Caderneta de Cromos" de Nuno Markl sobre o "David O Gnomo" [cromo 895 - download], enviei para o Facebook da Caderneta a curiosa foto que imediatamente despertou o interesse do próprio Markl, que a referiu no inicio do "Cromo 897 - Memórias Musicais", para meu grande contentamento! 
Entretanto fiz o scan completo da revista, que disponibilizo abaixo:

Para aumentar e ler, clique sobre as miniaturas das páginas:





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...