terça-feira, 29 de novembro de 2016

Pisca-Pisca (Tudo Na Maior) (1989)


por Paulo Neto

A viragem dos anos 80 para os anos 90 foi particularmente fértil em termos de ficção nacional exibida pela RTP: entre 1989 e 1991, vimos séries tão variadas como "Alentejo Sem Lei", "Claxon", "Chuva De Maio", "Caixa Alta", "Nem O Pai Morre...", "A Tribo Dos Penas Brancas" e a primeira série de "Os Melhores Anos", só para mencionar aquelas de que já falámos aqui.



Outra série de que me recordo particularmente dessa altura é "Pisca-Pisca" (com o subtítulo "Tudo Na Maior"), exibida entre Setembro e Dezembro de 1989, aos sábados à noite. Tratava-se de uma curiosa mistura de sitcom com programa de variedades. O elenco fixo era composto por oito actores que vinham da telenovela "Passerelle": Armando Cortez, Luísa Barbosa, Florbela Queiróz, Júlio César, Rosa do Canto, Natalina José, Fernando Mendes e Paula Cruz. Os textos eram de Rosa Lobato Faria e Armando Cortez, a direcção de produção de Thilo Krassman, a direcção musical de Pedro Osório e a realização de Nuno Teixeira.

O ponto de partida para o programa eram as aventuras e desventuras da família Cabrita, composta por oito pessoas que partilham um apartamento T1 em Lisboa. Embora a família tenha dois negócios - um salão de cabeleireiro e um misto de central de táxis e oficina de automóveis - as dificuldades financeiras são sempre muitas, por isso muitas vezes recorrem à imaginação para viver situações ora bizarras ora divertidas para escaparem à frugalidade em que vivem.

Cabrita (Armando Cortez)

Berta (Luísa Barbosa)
Belarmina (Natalina José)
João (Florbela Queiróz)
Miló (Rosa do Canto)
Orlando (Júlio César)
Juvenal (Fernando Mendes)
Alicinha (Paula Cruz)

Cabrita (Armando Cortez) é o patriarca, desempregado profissional, que vai ditando as suas sentenças enquanto a sua esposa Berta divide-se entre a cozinha e os seus biscates como vidente. Os dois têm três filhas: a estóica Belarmina (Natalina José), taxista e mãe solteira que já viu todo o tipo de clientes a passar pelo seu táxi (como por exemplo, o flautista de Hamelin a caminho do Largo do Rato!); a ingénua João (Florbela Queiróz), mecânica cuja aparência de maria-rapaz, esconde uma alma romântica e sonhadora, sobretudo quando se recorda do seu amado Sebastião, desaparecido numa manhã de nevoeiro; e a espevitada Miló (Rosa do Canto), a intelectual da família (isto é, a única que fez o ciclo preparatório) que gere as contas da central de táxis e que sonha em ser fadista.
Na casa vivem ainda Orlando (Júlio César), um primo afastado, Alicinha (Paula Cruz), filha de Belarmina, e Juvenal (Fernando Mendes), que ficou a viver com os Cabrita desde que a sua mãe o deixou lá em casa em bebé e esqueceu-se de o vir buscar.
Orlando ficou a viver com os Cabrita quando regressou a Portugal, depois de (segundo ele) ter combatido em África e andar emigrado no Brasil. Para que as clientes do seu salão não se intimidem com a sua virilidade, durante o serviço assume o alter-ego Landô com tiques efeminados e sotaque brasileiro. E nas horas vagas, vai namoriscando a prima Miló. Também Juvenal e Alicinha vão namorando entre as horas no salão e as tarefas em casa.


Falta ainda falar nos dois animais de estimação da família: o leitão Rosado, que vive alegremente na banheira, e o peixinho Peixoto, que no início de cada programa fazia o resumo do episódio anterior do seu ponto de vista e cujo único tormento é ter de passar para um copo quando Berta decide usar o seu aquário como bola de cristal.

Cada episódio tinha um tema (por exemplo: o circo, as histórias infantis, o Brasil ou os santos populares) a desencadear todo o tipo de situações quer da acção propriamente dita, quer das sequências imaginárias. Pelo meio havia vários números musicais e de bailado e actuações de artistas convidados.

Por exemplo:


- A cada episódio, o elenco reunia-se num cenário com roupas alusivas ao tema do episódio cantando duas variações do tema principal do programa que terminava sempre com a quadra: "Mas se tirarmos um ou outro pormenor, está tudo na maior, tudo na maior."
- Num episódio onde se recuou ao tempo dos gangsters dos anos 20, Florbela Queirós, Rosa do Canto e Natalina José formavam um grupo de irmãs cantoras que entoavam: "Fazemos marmelada, uh uh uh, muita marmelada, uh uh uh." No mesmo episódio, Natalina José e Luísa Barbosa encarnaram duas gangsters muito assutadoras que cantavam: "Somos maus, somos maus, a função é espalhar o caos!"
- Mas a canção de "Pisca-Pisca" que eu nunca esqueci foi a que encerrou o segundo episódio, o "Rock da Conjuntura", com todo o elenco vestido como punks e Júlio César a cantar: "A conjuntura, a conjuntura, a conjuntura tanto bate até que fura!"

Entre os convidados musicais do programa estiveram Lara Li, António Calvário, Rui Veloso, Eugénia Melo e Castro, Teresa Maiuko, Raúl Indwipo, Carlos Mendes, Marco Paulo, Dora, Ministars, Cândida Branca Flor e Paco Bandeira.

Apesar da história ser por vezes demasiado confusa e "nonsense" e de, segundo o site "Brinca, Brincando", os textos terem merecido críticas por parte de alguns actores do elenco, como Florbela Queiróz e Fernando Mendes, "Pisca-Pisca" primava pela qualidade da realização e da direcção artística. O programa foi reexibido pela RTP em 1996 e já passou várias vezes na RTP Memória.

Apesar disso, existe muito pouco material do programa disponível na internet, como por exemplo o original e psicadélico genérico de abertura. No YouTube, apenas encontrei este excerto do episódio de Natal, onde os Cabrita vêem-se em palpos de aranha com tantas rabanadas que lhes são oferecidas, com o Coro Infantil de Santo Amaro de Oeiras a cantar o clássico "Olhei Para O Céu". De referir que apesar deste episódio natalício (transmitido em Novembro), na véspera de Natal de 1989 a RTP exibiu um especial de Natal com o melhor das actuações musicais do programa.  


Se gostou, Partilhe: »»

Save on Delicious

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...