sábado, 11 de janeiro de 2014

O Rei do Gado (1996-97)

por Paulo Neto

Quando se fala sobre as telenovelas da Globo exibidas no horário nobre da SIC dos anos 90, é impossível não se mencionar esta, exibida entre 1996 e 1997. Escrita por Benedito Ruy Barbosa e dirigida por Luiz Fernando Carvalho, "O Rei do Gado" teve uma trama que prendeu os telespectadores tanto em Portugal como no Brasil e marcou um dos pontos altos da carreira de António Fagundes, onde fez de avô e neto.  






Os sete primeiros episódios da história decorrem em 1943, em plena Segunda Guerra Mundial. No interior do estado de São Paulo, duas famílias de imigrantes italianos, os Berdinazzi e os Mezenga, vivem em conflito por umas parcelas do seu terreno de café. Os patriarcas Giuseppe (Tarcísio Meira) e Antonio (António Fagundes) cultivam um ódio mútuo sem saber que a filha do primeiro, Giovanna (Letícia Spiller) e o filho do segundo, Enrico (Leonardo Brício), estão apaixonados. As respectivas esposas Nena (Vera Fischer) e Marieta (Eva Wilma) apoiam secretamente esta relação, mas quando esta é descoberta e incumprida a promessa dos Mezenga em doar como dote de casamento a terra disputada aos Berdinazzi, Giovanna e Enrico não têm outro remédio senão fugir e constituír família longe, onde terão um filho, Bruno. Destroçado com a fuga da filha e a morte do seu filho preferido Bruno (Marcelo Anthony) na guerra em Itália, Giuseppe enlouquece e morre.



A segunda fase passa-se na actualidade (1996). Bruno Mezenga (António Fagundes), filho de Giovanna e Enrico, é agora um abastado fazendeiro e pecuarista, a quem chamam "O Rei do Gado". Porém, apesar da sua fortuna, não é um homem feliz. Desiludido no seu casamento com Léia (Sílvia Pfeiffer) e distante dos seus filhos, Marcos (Fábio Assunção) e Lia (Lavínia Vlasak), só encontra conforto no seu trabalho.


Além disso, a contenda entre Mezenga e Berdinazzi continua, com Bruno a disputar terrenos que pertenceram a ambas as famílias com o seu tio Geremias (Raul Cortez). Geremias é dono de um império do café e do leite, mas é um homem solitário e amargo, vivendo no remorso de ter construído a sua fortuna às custas da usurpação das terras dos irmãos. Por isso, quando uma misteriosa mulher (Glória Pires) que se diz chamar Marieta e ser sua sobrinha, ele acolhe-a de braços abertos. Porém "Marieta" é na verdade Rafaela, uma impostora de olho na herança do produtor cuja ambição também a leva se envolver com Marcos.


A verdadeira sobrinha e herdeira de Geremias é Luana (Patrícia Pillar) uma bela e humilde bóia-fria que se envolve no movimento dos sem-terra, liderado por Regino (Jackson Antunes) e Jacira (Ana Beatriz Nogueira). Quando os sem-terra ocupam uma das suas terras, Bruno conhece e encanta-se logo com Luana, que a leva para a sua fazenda. Por detrás da sua aparência frágil, Luana é uma mulher forte e desconfiada, mas acaba por corresponder aos afectos de Bruno.


Frustrada no seu casamento, Léia tem um amante, o sedutor Ralf (Óscar Magrini) que também está envolvido com a dondoca Suzane (Leila Lopes) e a garota de programa Marita (Luciana Vendramini). Ralf revelar-se-á um homem perverso e cruel e Léia sofre nas suas mãos.


Entre outras personagens, destaque ainda para Judite (Walderez de Barros) a fiel criada de Geremias por quem sempre esteve apaixonada, Zé da Araguaia (Stênio Garcia) o braço-direito de Bruno, a mulher deste Donana (Bete Mendes), Aparício (Almir Satter) o músico da dupla sertaneja Pirilampo & Saracura por quem Lia se apaixona, o senador Caxias (Carlos Vereza) empenhado na defesa dos sem-terra e a filha deste, Liliana (Mariana Lima), eterna apaixonada de Marcos.

Com um elenco luxuoso, uma trama complexa e imagens rurais de encher o olho, "O Rei do Gado" foi um óbvio sucesso. Expressões italianas como "va bene" ou "maledetto", ditas amiúde por Bruno e Geremias, andaram na boca de brasileiros e portugueses. E foi a partir daqui, devido à respectiva personagem da telenovela, que o nome Luana tornou-se bastante popular em Portugal com cada vez mais pais a quererem darem esse nome às suas filhas recém-nascidas, como foi o caso da cantora Adelaide Ferreira. 
A Rádio Cidade chegou a fazer uma paródia da telenovela, "O Rei Tardado" cujo único detalhe de que me recordo foi o de haver uma personagem chamada Rapazuela, inspirada em Rafaela.

Genérico:


Excerto do 1.º episódio



  

Se gostou, Partilhe: »»

Save on Delicious

1 comentário:

  1. https://www.youtube.com/watch?v=X8Qdl5c8Fms
    Um dos episódios da radio cidade, tenho gravado alguns trechos mas com má qualidade.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...