sexta-feira, 22 de abril de 2016

"Freed From Desire" Gala (1996)

por Paulo Neto

O euro-dance reinou em força nos anos 90 e a Itália era uma das potências desse género. E foi precisamente de terras transalpinas que em 1996 surgiu mais um grande hit que reinou nas pistas de dança por essa Europa fora, interpretado por uma cantora milanesa cujo nome parecia indiciar uma carreira artística.



Gala Rizzatto nasceu em Milão a 6 de Setembro de 1972. Os seus pais deram-lhe esse nome em homenagem a Gala Dalí, (de seu verdadeiro nome Elena Diakonova) esposa e musa do poeta Paul Éluard e do pintor Salvador Dalí. Por isso, não é de estranhar que Gala tenha tido inclinação para as artes, tendo deixado a Itália aos 17 anos para estudar numa escola de artes em Boston. Mais tarde, mudou-se para Nova Iorque onde trabalhou como fotógrafa e começou a interessar-se pela cultura  underground e das discotecas da Big Apple, onde começou por fazer uma perninha como cantora.

O seu primeiro single foi "Everyone Has Inside" que obteve algum sucesso em Itália e Espanha, mas foi o single seguinte que se tornou um êxito global. Reza a lenda que Gala gravou uma cassete demo para um DJ europeu em troca de uma fotografia e que uma das músicas dessa demo era "Freed From Desire".

Graças à poderosa batida house e ao "na na na na" irresistível de trautear, "Freed From Desire" não tardou a conquistar as pistas de dança e as tabelas de música por essa europa fora desde o seu lançamento em Outubro de 1996. No baile de Carnaval da minha escola no 11.º ano, foi a música mais tocada. O tema foi n.º 1 em França (onde vendeu mais de um milhão de exemplares) e Bélgica e top 5 em diversos países. Apesar de ter sido tardiamente editado no Reino Unido em Julho de 1997, chegou ao n.º 2 do top e vendeu mais de 600 mil cópias em terras britânicas.


Mas apesar do sucesso do tema, a letra causou alguma confusão juntos dos ouvintes, já que a pronúncia inglesa de Gala deu azo a imensos mondegreens. Por exemplo, no repetido verso "He's got his strong beliefs", havia quem ouvisse "His God is Taiwanese", "He's got his trampoline" ou "He's got a strong police". E no refrão, quando Gala diz "mind and senses purified", eu pensava que era "my incense is purified" e há registos de quem achava que era "minus tension purifying", "minor senses Uruguay" ou "minor sex securified".



O single seguinte de Gala foi "Let A Boy Cry". Embora não tão potente na parte instrumental, o tema ganhava ao predecessor em termos de interpretação e melodia, já que não só a pronúncia de Gala era bem mais perceptível como a letra tinha uma mensagem importante. "Let A Boy Cry" falava sobre a hetero-normatividade da sociedade e como muitos adolescentes sentem receio em expressar a sua atracção por pessoas do mesmo sexo e/ou ter comportamentos e interesses fora daqueles convencionados para o seu género, sob medo das represálias dos outros. Uma situação pela qual Gala, assumidamente bissexual, passou na sua juventude. O videoclip também veiculava essa mensagem. "Let A Boy Cry" foi mais um hit internacional para Gala, tenso sido n.º 1 em Itália, França e Bélgica.



Capa do álbum "Come Into My Life" 

Seguiu-se o single que acompanhou o lançamento do seu álbum, ambos intitulados "Come Into My Life". O single foi n.º 1 em Espanha e Itália. Uma das canções do álbum tinha a participação de Tonino Ballardo dos Gipsy Kings. Embora não tenha tido tanto sucesso como os anteriores, recordo-me também ouvir nas rádios nacionais o single final, "Suddenly". O disco valeu a Gala vários prémios como o de Melhor Artista Internacional no Midem de Cannes e de Cantora do Ano para a revista italiana "Musica e Dischi".



Gala nunca mais igualaria o sucesso alcançado nessa altura, mas continua ainda hoje a editar música como artista independente e a actuar um pouco por todo o mundo, além de também continuar a fazer alguns trabalhos de fotografia. Em 2009, lançou o segundo álbum "Tough Love" e em 2014, actuou durante os Jogos Olímpicos de Inverno em Sochi, onde à luz das leis anti-LGBT da Rússia, fez questão de abrir o seu concerto com "Let A Boy Cry". Além disso, o seu maior hit "Freed From Desire", já teve algumas reedições com novas remisturas ao longo dos anos em 2003, 2008 e 2011. Gala também regravou uma versão acústica para o filme "Up For Love", com Jean Dujardin, a estrear este ano.  

Gala Rizzatto em 2012

Gala "The Beautiful" (2014)



          
  

Se gostou, Partilhe: »»

Save on Delicious

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...