sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Saúl Ricardo "O Bacalhau Quer Alho" (1996)

por Paulo Neto

Agora que é presença regular na televisão devido à sua participação em "A Quinta", nada como recordar os tempos em que o pequeno Saúl Ricardo era a estrela infantil mais badalada em Portugal depois da Maria Armanda.



Saúl Ricardo dos Santos Noronha nasceu a 18 de Agosto de 1987 na Figueira de Foz. Em 1995, quando ainda não completara oito anos, participou no "Big Show SIC", surgindo como um mini Quim Barreiros a cantar "O Mestre da Culinária", deixando toda a gente em estúdio espantada com a actuação. Inês Santos, a vencedora do Chuva de Estrelas que nesse programa era a júri convidada, definiu na perfeição o que todos acharam: "O Quim Barreiros encolheu, foi à máquina de lavar."




Tal foi impacto causado por aquele micro-talento que rapidamente surgiram propostas para um contrato discográfico. E em 1996, surgia o seu primeiro álbum cuja faixa-título seria o seu grande hit, "O Bacalhau Quer Alho".




O sucesso do disco não se fez esperar e pouco depois já não havia quem neste país não tivesse trauteado o refrão: "O bacalhau quer alho / É o melhor tempo / Quem comer alho / Fica rijo como um pêro". E sabem quem é que escreveu este magnífico opus? Os irmãos António e Filipa Lemos que mais tarde ganhariam notoriedade como parte dos Santamaria. Antes dos Santamaria, os irmãos Lemos ganhavam a vida actuando como o duo Tony Lemos & Marlene, mas sobretudo compondo canções para os artistas da facção pimba da editora Vidisco (algo que após o sucesso dos Santamaria, eles compreensivelmente quiseram manter em discrição). Eu sei disso porque certa vez, acho que na festa de anos de alguém, vi a cassete do primeiro álbum do Saúl e a maioria dos temas eram da autoria dos dois manos. E, como se impunha, dois temas eram da autoria do Quim Barreiros himself.

"Dona Tila" no Big Show SIC (1997):



Seguiram-se três anos de grande sucesso e uma carregadíssima agenda de espectáculos por todo o Portugal e também no estrangeiro. E foram-se somando hits como "Cozinhar É Comigo" (mais conhecido como "cozinho eu p'ra mim"), "Os Pitos", "Dona Tila", "Espeto Um Prego" ou "As Bolas De Snooker". Em 2000, tentou-se uma ligeira mudança de repertório com "Gosto De Ti À Brava" mas o disco não teve tanto sucesso. Foi a partir daí que começou a circular o boato de que Saúl teria morrido num acidente de viação, ou algo assim. Mas não só continuava vivinho da Silva como continuou a lançar um álbum por ano entre 2002 e 2005. 

Foi então que quando completou 18 anos, Saúl descobriu que os seus pais desbarataram todo o dinheiro que havia ganho desde criança. Foram tempos conturbados em que fez de tudo para sobreviver e onde o próprio admitiu ter tido pensamentos suicidas. Mas quando tudo parecia perdido, surgiram dois apoios que o fizeram persistir na adversidade: a namorada Marisa (actualmente sua esposa) e o público que afinal nunca o esquecera e que gradualmente foi acorrendo de novo aos seus concertos. Talvez porque se há coisa que o povo gosta mais do que cantigas sobre bacalhau, são histórias de ídolos caídos que voltam erguer-se.





Actualmente com 28 anos, Saúl Ricardo vive actualmente um renascimento da sua carreira, reconstruída pelo seu próprio pulso. Mesmo sem o fulgor dos outros tempos tal como sucede com outros artistas (a perfect storm da música pimba dos anos 90 é irrepetível), continua a actuar por todo o país, cantando os temas brejeiros com trocadilhos que são a sua marca (cada um é para o que nasce) como o hit-single de 2011 "A Fábrica Da Chouriça" e a marcar presença na televisão, não só nos típicos programas 760 de fim-de-semana das estações generalistas, mas também em "Som de Cristal" e agora em "A Quinta". Saúl pode continuar pequeno mas fez-se um homem.

Excerto do Perdidos & Achados sobre Saúl Ricardo (2011):

     

Se gostou, Partilhe: »»

Save on Delicious

3 comentários:

  1. Uma canção verdadeiramente histórica. A primeira vez que a ouvi foi na escola, em que colegas da minha turma cantaram esta canção na paródia, e perguntei que música era aquela. Responderam-me logo, pesquisei, e fartei-me de rir imenso com este verdadeiro achado da música popular portuguesa.
    Ainda hoje, quando se fala do Saúl, tem de vir sempre à baila a cantiga do "Bacalhau Queralho", que dito rápido sai asneira.
    Bem vistas as coisas, dizer palavras como "merda", ou isto ou aquilo, não são asneiras. Asneiras são "Chisca Timbrósio", como dizia a Hermínia Silva, a Grande Hermínia, ou coisas desse género.
    Este artista é um exemplo verdadeiro de coragem e valor, pois a vida maltratou-o e muito, graças aos pais irresponsáveis que ele teve, e lhe calhou na rifa, afortunadamente.
    Hoje, a sua carreira está num ponto alto, e pode ser um dos potenciais vencedores do "reality-show" da "Quinta". Factores: ele é uma pessoa animada, não tem brigas nenhumas, ninguém o nomeia para expulsões, não chateia ninguém, é um artista muito querido e popular na nossa música portuguesa, e trata-se de uma pessoa pacífica. Desconfio que sejam motivos suficientes para tal.
    Um dos nossos maiores cançonetistas da nossa música popular portuguesa, sem sombras de dúvidas.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...