sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Flashdance (1983)

por Paulo Neto

Há os filmes em que se vê à légua que foram feitos nos anos 80. Depois, há os filmes que gritam "ANOS 80!" por todos os poros. E depois há "Flashdance".


Tal é o legado visual e sonoro deste filme de 1983 que mais parece uma cápsula de todo o espírito da década. O filme foi a primeiro união de esforços dos super-produtores Jerry Bruckheimer e Don Simpson e foi realizado por Adrian Lyne, notando-se já aqui alguns laivos de erotismo que iriam marcar a sua obra ("Nove Semanas E Meia", "Atracção Fatal", "Proposta Indecente", "Lolita", "Infiel").


A história é sobejamente conhecida: Alex Owens (Jennifer Beals) é uma jovem que reside em Pittsburgh num armazém abandonado com o seu cão Grunt e que ganha a vida como soldadora de dia e bailarina num bar de noite, enquanto alimenta o sonho de ingressar numa prestigiada escola de bailado. Nick Hurley (Michael Nouri), o seu patrão na metalúrgica interessa-se por Alex e oferece-se para usar a sua influência para concretizar o sonho, algo que a rapariga rejeita pois quer vingar por mérito próprio. Além dos altos e baixos do seu romance com Nick, Alex também vai ter de lidar com  a morte da sua mentora Hanna (Lilia Skala), uma antiga bailarina clássica, o assédio de Johnny C (Lee Ving) que quer que ela trabalhe para o clube de strip local, os sonhos desfeitos dos seus amigos e sobretudo as suas próprias inseguranças. Mas quando tem a oportunidade de uma audição para a escola de bailado, Alex dá tudo por tudo.







Sem dúvida que "Flashdance" é daqueles filmes em que a forma prevalece claramente sobre o conteúdo e que é preciso o espectador não se agarrar a qualquer verosimilhança na história para ser apreciado. Mas deixando isso de lado, é bom entretenimento. Vi o filme quando foi transmitido pela RTP no início dos anos 90, na tarde de um feriado (acho que o de 5 de Outubro) e depois a espaços no Canal Hollywood e afins.
Apesar do seu desempenho acusar a sua inexperiência, a presença de Jennifer Beals é bastante carismática e deixava antever que estávamos perante uma actriz com potencial. Vimo-la por exemplo em "Quatro Quartos", " O Beijo Do Vampiro" e "2000 Malibu Road", mas foi apenas com o seu papel em "A Letra L" que conseguiu desfazer-se do rótulo de "a miúda do Flashdance". 
Foi também o primeiro filme a converter no cinema a estética dos videoclips, algo que se tornaria comum nos filmes dos anos seguintes como "Footloose" ou "Top Gun", com sequências propositadamente filmadas para ilustrar as canções da banda sonora. 



Além das icónicas (e muitas vezes recriadas e parodiadas) sequências de dança como aquela ao som de "Maniac", a da audição final e aquela que culmina com a queda de uma balde de água em cima de Marine Jahan (que era quem na verdade fazia as danças da personagem de Jennifer Beals), existem outras cenas marcantes como a de um jantar com Alex e Nick com uma lagosta sorvida sensualmente e brincadeiras com os pés debaixo da mesa, a da discussão entre ambos num túnel rodoviário, a de Alex a assistir a uma exibição de break-dance e a triste cena onde a sua amiga Jeanie Szabo (Sunny Johnson) fica parada no gelo, morta de vergonha após ter caído duas vezes no seu número de patinagem. 






Mas claro, falar de "Flashdance" é falar da banda sonora que teve um êxito semelhante ao do filme e que produziu dois grandes hits: o esmagador "Flashdance...What A Feeling" interpretado por Irene Cara que venceu o Óscar para Melhor Canção Original (o segundo para uma canção cantada por Irene Cara, depois de "Fame" em 1980) e "Maniac" de Michael Sembello. Os videoclips de ambas as canções eram compostos exclusivamente por cenas de filmes e foi a partir de então que se popularizou a utilização de imagens dos filmes para os videoclips de canções da respectiva banda sonora.
Curiosamente, outra canção fortemente associada ao filme, "Gloria" de Laura Brannigan, não fez parte do disco da banda sonora.

E agora para aqueles que gostam de movie trivia, tomem lá estas notas:
- O filme foi baseado na história da bailarina canadiana Maureen Marder, a quem foi pago 2300 dólares pela cedência da sua história. Marder tentou várias vezes sem sucesso processar os produtores por não receber mais capital pelo êxito do filme. E ao contrário do filme, Marder não conseguiu entrar na escola de bailado. 
- Além de Marine Jahan, mais dois duplos foram utilizados na cena de dança final ao som de "What A Feeling": a ginasta Sharon Shapiro no plano em que Alex se lança no ar e o breakdancer Richard "Crazy Legs" Colón na parte do headspin. (Inclusivamente, Crazy Legs nem sequer fez a barba para tal, limitou-se a usar uma peruca e as roupas da personagem). Outro duplo foi também utilizado para as cenas em Alex anda de bicicleta. 
- O elenco contava ainda com a actriz e bailarina Cynthia Rhodes, no papel de Tina Tech, uma bailarina colega de Alex, que viria a ser o par de John Travolta no filme "Stayin' Alive - A Febre Continua" (estreado no mesmo ano) e que é casada desde 1989 com o cantor Richard Marx.
- Além de Jennifer Beals, Demi Moore e Leslie Wing foram as outras finalistas para o papel principal. Entre as várias histórias sobre como foi feita a escolha da protagonista, há uma de que fotos das três actrizes foram distribuídas a trabalhadores dos estúdios, a quem foi perguntado com qual das três é que gostaria mais de ter sexo. Um então pouco conhecido Kevin Costner esteve quase a ser escolhido para o protagonista masculino, antes de ser preterido por Michael Nouri.
- Sunny Johnson faleceu um ano após a estreia do filme aos 30 anos devido a um aneurisma, Laura Brannigan, que cantou o tema ao som do qual a sua personagem patinava, morreu em 2004 da mesma causa.
- A famosa camisola com o decote cortado usada por Jennifer Beals no cartaz do filme e que viria a tornar-se moda foi fruto de um acidente de lavagem. A camisola encolheu tanto que só assim é que Beals conseguiu enfiá-la na cabeça.   
- Havia a percepção que a música "Maniac" de Michael Sembello fora originalmente escrita para o filme slasher de 1980 "Maniac", alterando depois a letra para ser usada em "Flashdance". No entanto, os extras do DVD revelam que a canção tinha sido escrita propositadamente para este filme. Michael Sembello é visto como uma das mais célebres "one hit wonders" de sempre, mas viria a fazer música para outros filmes de sucesso como "Cocoon", "Gremlins" e "O Dia Da Independencia". 
- O ringue de patinagem é o mesmo que foi utilizado no filme "Dawn Of The Dead". 
  

Em 2003, Jennifer Lopez recriou várias cenas de "Flashdance" para o videoclip de "I'm Glad". Mas essa homenagem saiu-lhe cara, tendo sido processada por uso não autorizado do conteúdo do filme.

Trailer:



"Flashdance...What A Feeling" Irene Cara




"Maniac" Michael Sembello



  

Se gostou, Partilhe: »»

Save on Delicious

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...