terça-feira, 28 de março de 2017

Splash - A Sereia (1984)

por Paulo Neto

Filmes que eu vi na "Sessão da Noite", o espaço de cinema da RTP1 das noites de sexta-feira do início dos anos 90 - capítulo 283. "Splash - A Sereia" teve a particularidade de ser o primeiro filme produzido pela Touchstone, a chancela da Walt Disney para filmes de conteúdo mais adulto ou pelo menos não tão infantil quanto isso. O filme de 1984 foi realizado por Ron Howard e protagonizado por Tom Hanks e Daryl Hannah. Este era apenas o segundo filme de Hanks, que até então tinha trabalhado sobretudo em teatro e televisão, ao passo que Hannah já tinha sido notada em filmes como "Blade Runner" e "Amantes de Verão" e nesse mesmo ano, fora vista em "Reckless - Jovens Sem Rumo" e "Iniciação Ao Crime". Trata-se de uma comédia romântico-fantástica, livremente inspirada pelo famoso conto de "A Pequena Sereia".



Em 1964, ao viajar num barco em Cape Cod com a família, o pequeno Allen Bauer fica fascinado por algo que vê na água, acabando por cair ao mar. Sem saber nadar, ele é salvo por uma misteriosa menina que respira debaixo de água (que na verdade é uma sereia) e uma ligação imediata é estabelecida entre os dois até que Allen é recolhido por um dos marinheiros do barco.
Anos mais tarde, Allen (Hanks) gere um negócio de comércio grossista de frutas e legumes com o seu irmão Freddie (John Candy). Apesar de dizer que o seu encontro de infância como uma sereia foi uma alucinação de quase morte, nunca esqueceu a ligação que teve com ela, o que tem prejudicado a sua vida amorosa. Para combater um período depressivo, Allen regressa a Cape Cod onde conhece o excêntrico cientista Walter Kornbluth (Eugene Levy) que procura estranhas criaturas marítimas. Após um acidente de barco, ele encontra na praia uma bela mulher completamente nua (Hannah) que lhe beija antes de entrar no mar. Essa mulher é a sereia que ele conheceu na infância.



Ao achar a carteira de Allen, a sereia decide procurá-lo em Nova Iorque, acabando por ser presa quando aparece toda nua junto à Estátua da Liberdade. Allen é contactado pela polícia e acaba por ficar a cargo da sereia. Esta acaba por aprender a falar inglês através da televisão e revela que pode ficar em Nova Iorque seis dias. Ao ver um letreiro da Avenida Madison, decide adoptar Madison como seu nome. (Uma das minhas cenas preferidas é quando ela tenta dizer o seu nome de sereia e emite uns ruídos tão agudos que partem tudo o que é televisão em volta.) Apesar de alguns comportamentos bizarros dela, os dois apaixonam-se.
Entretanto, o Dr. Kornbluth, que vira Madison na sua forma de sereia e percebeu que ela era a mulher que surgiu nua junto à Estátua da Liberdade, persegue o casal, tentando encharcá-la com água para provar a existência de sereias. Após várias e hilariantes tentativas falhadas, finalmente consegue-o durante um jantar de cerimónia onde Allen e Madison estão presentes. Ela é capturada por agentes federais, liderados pelo Dr. Ross (Richard B. Shull), o rival de Kornbluth.


Apesar de chocado com o segredo de Madison, Allen percebe que ainda a ama e decide salvá-la de ser dissecada com a ajuda de Freddie e de um arrependido Kornbluth, que só queria provar que não estava louco. Allen e Madison são perseguidos pelo exército americano até que ele decide deixar a terra e viver para sempre junto da sua amada sereia no mar.



"Splash - A Sereia" foi um dos sucessos cinematográficos de 1984. Recebeu ainda nomeações para o Óscar de melhor argumento e para o Globo de Ouro para melhor filme de comédia ou musical, com Daryl Hannah a ganhar o prémio Saturn para melhor actriz. Ajudou também a estabelecer o potencial de Tom Hanks como estrela de cinema e de Ron Howard como realizador de primeira linha. E claro, será difícil imaginar uma sereia cinematográfica mais bela do que uma Daryl Hannah no auge da sua beleza (que aos 56 anos, ainda está bem preservada), isto apesar do papel ter sido recusado por nomes como Sharon Stone, Kathleen Turner, Michelle Pfeiffer ou Diane Lane. Ao que parece, a cauda de sereia que Hannah usou no filme era totalmente funcional e a actriz conseguia nadar perfeitamente com ela. 



O filme deixou ainda um legado inesperado, ao popularizar Madison como nome feminino nos Estados Unidos. Embora no filme a personagem de Tom Hanks diga à de Daryl Hannah que Madison não é um nome a sério, o certo é que nos anos após a estreia do filme nos cinemas e mais tarde na edição em vídeo, a popularidade do nome Madison subiu em flecha até ser o segundo nome mais popular para raparigas nascidas nos Estados Unidos em 2001 e 2002. Em 2015, ainda era o 11.º nome mais popular nos Estados Unidos, com 10038 recém-nascidas a receber esse nome.

Em 2016, o produtor Brian Grazer revelou que está a trabalhar num remake do filme, mas desta vez o par romântico será uma mulher humana e um homem sereia. Channing Tatum terá sido apontado para o protagonista masculino. 

Trailer:



Selecção de cenas:



Se gostou, Partilhe: »»

Save on Delicious

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...