domingo, 16 de dezembro de 2012

Sozinho em Casa (1990)

por Paulo Neto

Enquanto em tempos passados, um dos rostos inevitáveis do Natal era Julie Andrews, pois rara era a quadra natalícia em que não desse na televisão o "Música no Coração" e/ou a "Mary Poppins", a partir dos anos 90, Natal não é Natal quando um dos nossos canais de televisão não passe o "Sozinho em Casa", seja o primeiro filme ou a sequela. Às vezes penso que há um decreto-lei que obriga a que a cada mês de Dezembro, tenha de aparecer o rosto pueril de Macaulay Culkin nos nossos ecrãs.


De tantas vezes que deu na televisão, a história já é amplamente conhecida. A numerosa família McCallister prepara-se para passar o Natal em Paris. Devido a uma falha de energia, os despertadores não tocam e entre a correria para chegar a tempo e uma série de equívocos, todos esquecem do pequeno Kevin (Macaulay Culkin) que ficou a dormir no sótão. Quando o petiz vê-se sozinho em casa, a princípio fica eufórico pois tinha-se desentendido com os seus familiares e deste modo, fica livre para fazer o que quiser. Mas as coisas complicam-se quando Kevin descobre que dois ladrões, Harry (Joe Pesci) e Marv (Daniel Stern), conhecidos como os Bandidos Molhados, planeiam assaltar a sua casa. Então, o miúdo decide defender a casa, colocando diversas armadilhas. Pelo meio, vai descobrindo que afinal sente saudades da sua família e que o tenebroso vizinho conhecido como o Homem da Pá de Neve é afinal um velhote simpático.
O filme contém várias cenas ficaram para a história, como aquela em que Kevin experimenta pela vez o ardor de um after-shave, mas claro que o momento alto é a sequência onde os ladrões, ao descobrirem que Kevin está sozinho em casa, decidem assaltar a casa e acabam por cair em todas as hilariantes armadilhas que o miúdo montou: o maçarico na porta, a maçaneta a ferver, as escadas com cola, o armário de ferramentas a cair pelas escadas abaixo e por aí fora. Essa sequência ainda hoje em dia continua a arrancar risos a muita gente. Lembro-me que sempre que o meu pai via o filme, era certo e sabido, que ia ouvi-lo a rir ao ver a série de humilhações dos bandidos.




O sucesso de "Sozinho em Casa" foi tal que se tornou a comédia mais rentável de sempre da história do cinema. Estreados nos Estados Unidos no Natal de 1990, nem o tema natalício impediu que o êxito se prolongasse bem depois da quadra. Deste modo, o realizador Chris Colombus foi elevado a realizador de primeira linha e Macaulay Culkin tornou-se a principal estrela infantil da sua geração. E o miúdo mais invejado do seu tempo, pois aos dez anos vivia a vida de super-estrela, enquanto o resto da miudagem vivia a simples vida de miúdo. Só anos mais tarde é que veio à tona que essa vida de mega-mini-celebridade teve um lado negro que terá provavelmente afectado Culkin para o resto da vida. Mas enquanto não sabíamos de tal, lá íamos vendo com agrado os filmes dele, como "O Meu Primeiro Beijo" e "Pai, Filho e Sarilho".


Em 1992, estreou a sequela "Sozinho em Casa 2: Perdido em Nova Iorque" onde se mexeu pouco na fórmula ganhadora. No Natal seguinte, Kevin volta a desencontrar-se com a família e acaba por ir para a Nova Iorque em vez de Miami. Volta a fazer amizade com uma personagem aparentemente assustadora, desta vez uma senhora sem-abrigo que vive rodeada de pombos e vê-se num novo confronto com os recém-evadidos Bandidos Molhados, sendo estes de novo humilhados noutra sequência cómica de armadilhas, desta vez numa casa em obras. Se por acaso num Natal não der o primeiro filme, dá de certeza esta  sequela. A franchise estendeu-se a mais dois filmes, já sem Macaulay Culkin, e está prevista na América uma nova sequela, desta vez em telefilme, este Natal. 

Trailer do primeiro filme:

Melhores momentos da sequência das armadilhas:


Trailer do segundo filme:

       

Se gostou, Partilhe: »»

Save on Delicious

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...